Ações do Alibaba e Tencent caíram por possivelmente estarem no radar de Trump

Washington está considerando proibir os americanos de investirem nas duas empresas, de acordo com o Wall Street Journal e a Reuters

Foto: REUTERS/Andrew Kelly.

Jill Disis, CNN Business

Ouvir notícia

As ações do Alibaba e da Tencent recuaram 3,9% e 4,7% respectivamente nesta quinta-feira, após relatos de que poderiam ser as próximas vítimas da campanha do presidente Donald Trump contra compahias chinesas de tecnologia.

Washington está considerando proibir os americanos de investirem nas duas empresas, de acordo com o Wall Street Journal e a Reuters na quarta-feira, citando pessoas a par do assunto.

Tal movimento seria um grande choque para as duas empresas mais valiosas da Ásia. Principalmente para o Alibaba que também é comercializado em Nova York. Portanto, se os americanos forem proibidos de investir na empresa, ela poderia ser retirada da lista dos Estados Unidos.

O Wall Street Journal informou que as autoridades têm debatido se a proibição do Alibaba e do Tencent teria “amplas ramificações nos mercados de capitais”. Juntas, as empresas de tecnologia valem mais de US$ 1,3 trilhão.

Leia também:
Nuvens na bola de cristal: Apostas de Warren Buffet decepcionam em 2020
Bitcoin pode alcançar US$ 146 mil conforme vire ‘ouro digital’, diz JPMorgan

Mas Trump também deixou claro nas últimas semanas que seu governo está preparado para adotar uma linha o mais dura possível contra a China antes que o presidente eleito Joe Biden tome posse no final deste mês.

Apenas esta semana, Trump assinou uma ordem executiva proibindo transações com oito aplicativos chineses, incluindo Alipay, afiliado do Alibaba, Ant Group e QQ Wallet e WeChat Pay da Tencent.

A bolsa de valores de Nova York também disse na quarta-feira que retiraria da lista três ações de telecomunicações chinesas para cumprir uma ordem de Trump que proíbe os americanos de investir em empresas que o governo dos EUA suspeita pertencerem ou serem controladas pelos militares chineses.

A ordem, que entra em vigor em 11 de janeiro, proíbe os investidores norte-americanos de possuir ou negociar quaisquer títulos originados ou expostos a essas empresas. Os investidores terão até novembro de 2021 para desinvestir nas empresas.

Até que ponto esses pedidos serão eficazes ainda está para ser ver. Notavelmente, a NYSE mudou abruptamente sua posição sobre banir as empresas de telecomunicações chinesas duas vezes. Esclareceu que avançaria com a proibição somente após receber “novas orientações específicas” do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.

Enquanto isso, outras ordens que Trump emitiu contra empresas de tecnologia chinesas tiveram problemas. Uma ordem de proibição de downloads do WeChat nos Estados Unidos foi temporariamente bloqueada por um juiz federal, por exemplo. Vários tribunais também emitiram medidas cautelares contra as tentativas do governo de proibir o aplicativo de vídeo TikTok.

Mais Recentes da CNN