Ações do Magazine Luiza caem após euforia com desdobramento; entenda

Desde o anúncio do desdobramento, a ação da varejista subiu 19,3% – passou de R$ 87,16 para R$ 104 no último fechamento

Fachada de loja do Magazine Luiza: após figurar entre as maiores altas do Ibovespa na véspera, ações da varejista caem na quarta
Fachada de loja do Magazine Luiza: após figurar entre as maiores altas do Ibovespa na véspera, ações da varejista caem na quarta Foto: Divulgação

Ouvir notícia

Os papéis do Magazine Luiza (MGLU3) estão mais acessíveis. Isso porque a empresa promoveu seu terceiro desdobramento de ações. 

Os investidores que tinham ações da empresa ontem (13) – que valiam R$ 104 – vão receber quatro ações para cada papel “antigo” no valor de R$ 26. 

A notícia do desdobramento fez os papéis dispararem – mais que o normal para a ação, que vem crescendo há anos. Desde o anúncio do movimento, a ação da varejista subiu 19,3% – passou de R$ 87,16 para R$ 104 no fechamento da última terça. 

Leia também:
Posso ganhar dinheiro com desdobramento de ações? Entenda
Vendas no varejo avançam 3,4% em agosto e registram patamar recorde

Nesta quarta, quando o papel passou a ser negociado com desdobramento – a R$ 26 no começo do pregão –, as ações chegaram a liderar as altas do Ibovespa, mas depois inverteram o sinal e tiveram um dos piores desempenhos do dia, com baixa de 1,58%.

Este é um movimento de realização de lucros, avaliam analistas. “Deu uma disparada com a notícia do desdobramento, o que é mais um efeito psicológico do que um movimento com fundamento”, diz Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos. 

“Muitos investidores entraram buscando lucro de curto prazo com o desdobramento trazendo mais liquidez para as ações. Quem comprou com essa expectativa já está se desfazendo do papel”, afirma Paloma Brum, economista da Toro Investimentos. 

Além do “efeito psicológico”, os dados sobre o varejo ajudam a ação. As vendas do setor engataram o rumo para a recuperação e subiram 3,4% em agosto, segundo o IBGE. 

Com o resultado, o segmento registra o maior patamar de vendas desde 2000, ficando 2,6% acima do recorde registrado em outubro de 2014.

A temporada de balanços do terceiro trimestre começa em poucas semanas e os investidores, claro, vão ficar de olho nos resultados do Magazine Luiza para decidir sobre o futuro de suas ações. 

Os bancos de investimento não estão tão otimistas com o papel no médio prazo. Para o Bradesco BBI, o preço alvo para agosto do ano que vem é R$ 82. O BTG Pactual é um pouco mais otimista e fixa o preço alvo em R$ 91 para o mesmo período. 

Com uma análise feita depois do anúncio do desdobramento de ações, o Credit Suisse acertou. A empresa disse que os papéis do Magalu poderiam subir a R$ 100, o que realmente aconteceu, antes do desdobramento. Basta saber se as ações vão continuar no mesmo patamar – R$ 25 depois da divisão. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN