Acordo entre Microsoft e Activision Blizzard é “desafio monumental” para Sony

Transação faria a Microsoft se tornar 3ª maior empresa de jogos do mundo em receita, atrás da Tencent e da Sony; ações da fabricante do console PlayStation despencaram quase 13% em Tóquio na quarta-feira

Microsoft é dona da Xbox e tem adquirido diversos estúdios de games
Microsoft é dona da Xbox e tem adquirido diversos estúdios de games Unsplash

Diksha Madhokdo CNN Business

Ouvir notícia

A compra da desenvolvedora de videogames Activision Blizzard pela Microsoft pode representar uma séria ameaça para a Sony.

As ações da fabricante do console PlayStation, um grande rival do Xbox da Microsoft, despencaram quase 13% em Tóquio na quarta-feira, depois que a Microsoft (MSFT) anunciou o acordo de quase US$ 70 bilhões. Essa foi a pior queda no preço das ações da Sony (SNE) desde 2008, de acordo com o provedor de dados Refinitiv.

A Microsoft e a Sony competem há décadas com iterações de seus consoles Xbox e PlayStation, muitas vezes cortejando os videogames com títulos e recursos exclusivos.

A Microsoft já possui franquias de sucesso como “Halo”, mas o acordo da Activision Blizzard adicionaria séries populares, incluindo “Call of Duty” e “World of Warcraft” à sua biblioteca – assim como os quase 400 milhões de jogadores ativos mensais que os acompanham.

A transação faria a Microsoft se tornar a terceira maior empresa de jogos do mundo em receita, atrás da Tencent (TCEHY) e da Sony, disse a empresa em comunicado.

As “guerras de consoles estão esquentando”, escreveu Amir Anvarzadeh, estrategista de mercado da Asymmetric Advisors, em uma nota de pesquisa. “A Sony terá um desafio monumental em suas mãos para se manter nesta guerra de desgaste.”.

Quase 30% da receita da Sony vem de jogos e serviços de rede, de acordo com o relatório de ganhos mais recente da empresa. Os investidores podem estar preocupados com o fato de a Sony perder para a Microsoft em conteúdo de jogos, especialmente se alguns dos títulos da Activision se tornarem exclusivos dos sistemas da Microsoft, de acordo com Kazunori Ito, analista da Morningstar Research.

“Adquirir conteúdo exclusivo de jogos é fundamental”, disse ele à CNN Business na quarta-feira, observando que a indústria de jogos está em um estado de “transição” à medida que as empresas adotam modelos de assinatura.

A Microsoft já estava de olho em construir sua biblioteca de conteúdo, especialmente durante a pandemia de coronavírus, quando mais pessoas ficaram em casa e os jogos se tornaram uma opção de entretenimento ainda mais atraente.

Em setembro de 2020, a Microsoft comprou a ZeniMax, empresa controladora da Bethesda Softworks, cujos estúdios produziram franquias aclamadas pela crítica, incluindo “Elder Scrolls”, “Fallout” e “Doom”.

Embora o PlayStation 5 mais recente seja considerado mais popular que o Xbox Series X, a Sony ficou para trás no lançamento de um verdadeiro concorrente do serviço de assinatura em nuvem Game Pass da Microsoft, que permite que as pessoas joguem uma seleção de jogos por uma taxa mensal.

A Microsoft disse na terça-feira que tem mais de 25 milhões de assinantes do Game Pass e “oferecerá o maior número possível de jogos da Activision Blizzard” nas versões Xbox e PC do serviço.

Analista do Macquarie disse que “a própria Sony reconhece os limites de longo prazo de um negócio de jogos centrado em console”, mas a adoção de uma nova estratégia pode exigir investimentos significativos da empresa japonesa.

“Consideramos sua estratégia geral de jogos/entretenimento conservadora”, escreveram os analistas em nota na quarta-feira, acrescentando que pode ter sido diluída pelos “compromissos paralelos da empresa com outros negócios e aquisições”, incluindo sensores de imagem e carros elétricos.

“Será interessante ver se a Sony rebate a investida agressiva da Microsoft com um movimento próprio, mas os preços podem ser muito altos”, acrescentaram os analistas do Macquarie.

Os investidores já estão apostando em qual empresa pode ser a próxima a ser arrematada. Wall Street parece pensar que a Electronic Arts, que faz a super popular franquia Madden NFL de videogames de futebol, poderia ser o alvo mais provável.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN