AIE confirma liberação de mais 120 milhões de barris de petróleo

Na semana passada, os Estados Unidos já haviam se comprometido a lançar 180 milhões de barris, em uma média de 1 milhão de barris por dia

Somando-se a um compromisso anterior já assumido, a AIE liberará no total 240 milhões de barris de petróleo de suas reservas estratégicas ao longo desses seis meses
Somando-se a um compromisso anterior já assumido, a AIE liberará no total 240 milhões de barris de petróleo de suas reservas estratégicas ao longo desses seis meses 19/12/2004REUTERS/Sergei Karpukhin

Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

A Agência Internacional de Energia (AIE) confirmou, em comunicado, que os países associados à organização vão liberar mais 120 milhões de barris de petróleo pelos próximos seis meses ao detalhar decisão inicialmente revelada na semana passada.

Somando-se a um compromisso anterior já assumido, a AIE liberará no total 240 milhões de barris de petróleo de suas reservas estratégicas ao longo desses seis meses, em esforço conjunto para tentar conter a escalada de preços impulsionado pela guerra entre Rússia e Ucrânia.

Na semana passada, os Estados Unidos já haviam se comprometido a lançar 180 milhões de barris, em uma média de 1 milhão de barris por dia (bpd).

Nesta quinta, Washington informou que, do total já anunciado, vai liberar 60 milhões de barris no âmbito do acordo da AIE, com os outros 60 milhões vindos dos demais membros.

“A decisão sem precedentes de lançar duas liberações de estoque de petróleo de emergência com apenas um mês de intervalo, e em uma escala maior do que qualquer outra na história da AIE, reflete a determinação dos países membros em proteger a economia global dos impactos sociais e econômicos de um choque de petróleo após a agressão da Rússia contra a Ucrânia”, afirmou o diretor executivo da AIE, Fatih Birol.

Em comunicado separado, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que os EUA tomarão todas as medidas necessárias para mitigar os impactos da guerra.

 

Tópicos

Mais Recentes da CNN