Alibaba tem recorde de vendas no Dia dos Solteiros, mas crescimento desacelera

Problemas de energia, interrupções no transporte marítimo e crise imobiliária prejudicam economia da China

Ampla repressão do governo sobre as empresas privadas também lançou uma sombra sobre o Dia dos Solteiros
Ampla repressão do governo sobre as empresas privadas também lançou uma sombra sobre o Dia dos Solteiros REUTERS/Aly Song

Laura Hedo CNN Business

Ouvir notícia

O Alibaba divulgou mais um ano de números recordes de vendas para o Dia dos Solteiros, o maior evento anual de compras do mundo, que ocorre em 11 de novembro. Mas seu ímpeto está diminuindo seriamente à medida que a economia da China enfraquece e Pequim aperta seu controle sobre a indústria de tecnologia.

A empresa disse que o volume total bruto de mercadorias (GMV) atingiu 540,3 bilhões de yuans (US$ 84,5 bilhões) nos primeiros 11 dias de novembro, culminando no feriado da última quinta-feira.

O valor é um aumento de 8,5% em relação ao ano anterior – muito menor do que o limite máximo de uma previsão recentemente feita por analistas do Citi, que esperavam um aumento de até 15%, ou 578 bilhões de yuans (US$ 90 bilhões). Também está abaixo do limite mínimo da previsão do analista, cerca de US$ 86 bilhões.

O número deste ano é uma grande desaceleração em relação ao salto de 26% registrado pelo Alibaba no ano passado, em comparação com 2019.

Os analistas do Citi escreveram na sexta-feira (12) que, embora os números deste ano tenham sido piores do que o previsto, “não foi totalmente inesperado” devido à forte concorrência, desaceleração da economia e redução do sentimento do consumidor.

O rival menor do Alibaba, JD.com, se saiu melhor, registrando 349,1 bilhões de yuans (US$ 54,6 bilhões) em vendas pela GMV. Isso foi 28,6% maior que um ano atrás – embora ainda mais lento do que a taxa de crescimento de 33% que atingiu no ano passado.

Dores de cabeça com a inflação

O Alibaba lançou o primeiro Festival de Compras do Dia dos Solteiros em 11 de novembro de 2009. O evento, também conhecido como Double 11, é relacionado ao feriado informal anti-Dia dos Namorados na China, que celebra as pessoas que não estão em relacionamentos. A data – 11 do 11 – foi escolhida porque está escrita como quatro unidades, ou solteiros.

Desde aquela primeira ocorrência, o Dia dos Solteiros explodiu em um frenesi de compras observado não apenas pelo Alibaba, mas também por outras empresas de comércio eletrônico que oferecem seus próprios descontos e promoções. Os negócios acontecem ao longo de vários dias ou mesmo semanas.

O evento também se espalhou para fora da China, com a Lazada, subsidiária do Alibaba no sudeste da Ásia, oferecendo negócios em Cingapura, Malásia, Indonésia, Tailândia e Vietnã.

É um evento incrivelmente lucrativo, mas o sentimento do consumidor pode estar sofrendo um golpe este ano por causa dos ventos contrários que a economia chinesa enfrenta.

O PIB (Produto Interno Bruto) está crescendo no ritmo mais lento em um ano, à medida que problemas de energia, interrupções no transporte marítimo e uma crise imobiliária cada vez mais profunda afetam a segunda maior economia do mundo.

A inflação, por sua vez, aumentou, o que ameaça corroer as margens de lucro e o poder de compra dos consumidores.

Os custos dos produtos que saem das fábricas da China aumentaram em outro recorde no mês passado – o Índice de Preços ao Produtor da China subiu 13,5% em outubro em relação ao ano anterior – e agora há sinais de que eles estão afetando toda a cadeia.

O Índice de Preços ao Consumidor da China subiu 1,5% em outubro em relação ao ano anterior, o dobro da taxa do mês anterior e o ritmo de aumento mais rápido desde setembro de 2020.

“Por um lado, os crescentes custos dos insumos reduziram significativamente a margem de lucro dos fabricantes downstream, o que, por sua vez, limita o espaço para oferecer um grande desconto neste ano”, disse Alicia Garcia Herrero, economista-chefe para Ásia-Pacífico da Natixis, um banco de investimento francês.

“Por outro lado, o consumo doméstico ainda não voltou ao nível anterior à pandemia, e mesmo as vendas no varejo online, que permaneceram relativamente resistentes em 2020, desaceleraram”.

Preocupações com repressão

Uma ampla repressão do governo chinês sobre as empresas privadas também lançou uma sombra sobre o Dia dos Solteiros deste ano.

No ano passado, Pequim lançou uma campanha abrangente contra uma ampla gama de setores, e as empresas de comércio eletrônico estão sob escrutínio particularmente severo.

O Alibaba foi atingido no início deste ano com uma multa recorde de US$ 2,8 bilhões por se comportar como um monopólio, e a empresa perdeu centenas de bilhões de dólares em valor de mercado à medida que as reformas de Pequim tomam forma.

JD.com, Tencent, Pinduoduo, Meituan e outras empresas também foram investigadas ou multadas por suposto comportamento anticompetitivo.

À medida que a pressão aumenta, muitas empresas se apressam em doar bilhões de dólares de seus próprios lucros para causas sociais baseadas no governo, depois que o presidente Xi Jinping deixou clara sua prioridade de redistribuir a riqueza e alcançar a “prosperidade comum”.

O Alibaba prometeu doar 100 bilhões de yuans (US$ 15,6 bilhões) até 2025 em apoio à campanha de “prosperidade comum” de Pequim. A Pinduoduo disse em agosto que daria todo o lucro do trimestre de junho para projetos de desenvolvimento rural na China, e espera doar um total de 10 bilhões de yuans (US $ 1,5 bilhão) para essas causas.

A JD.com revelou um plano no final do ano passado para “revitalizar a China rural” usando dinheiro e sua infraestrutura de logística.

O Dia dos Solteiros também entrou na mira de Pequim. No sábado (6), a Administração Estatal de Regulação do Mercado – o órgão regulador antitruste do país – proibiu as plataformas de comércio eletrônico de participarem de práticas desleais durante o período de compras natalinas, como “aumentar os preços dos itens antes de colocá-los à venda”.

Na semana passada, o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação, que supervisiona a indústria da internet, convocou o Alibaba, JD.com, Pinduoduo e Meituan e os alertou contra o envio de mensagens de marketing de spam para os consumidores durante o Dia dos Solteiros.

“As grandes plataformas da Internet parecem ser mais cautelosas no marketing e nas promoções este ano para evitar violar os regulamentos antitruste”, disse García Herrero, da Natixis.

Apoiando Pequim

As empresas também estão correndo para apoiar iniciativas governamentais destinadas a aumentar a igualdade social e reduzir as emissões de carbono – ambos entre os principais objetivos políticos de Xi.

O clima tem sido um foco particular, com a China nesta semana até mesmo prometendo intensificar suas ambições climáticas em um acordo com os Estados Unidos. A China, porém, ainda é o maior consumidor de carvão do mundo e antes não assinou uma declaração na COP26 se comprometendo a eliminar o uso do minério.

O Alibaba disse que mudaria o foco de números puros de vendas – geralmente a manchete de cada ano – para sustentabilidade e inclusão.

“O Festival deste ano marca um novo capítulo para o 11/11”, disse Chris Tung, diretor de marketing do Alibaba Group, em um comunicado. “Acreditamos que devemos usar o poder do 11/11 para encorajar o desenvolvimento sustentável e promover a inclusão de consumidores, comerciantes e parceiros em todo o nosso ecossistema”.

A empresa disse que apresentará produtos com eficiência energética em seus serviços e distribuirá 100 milhões de yuans (US$ 15,6 milhões) em vouchers “verdes” destinados a incentivar as pessoas a comprar produtos mais sustentáveis. Ela também quer reduzir a pegada de carbono do evento, reciclando as embalagens que usa.

A empresa também disse que queria apoiar “populações vulneráveis”, e seu aplicativo Taobao introduziu uma opção de “modo sênior”. O novo recurso foi projetado para ser mais acessível para os idosos com uma interface atualizada e tecnologia assistida por voz.

A JD.com também anunciou que o Dia dos Solteiros deste ano será “o maior em que a energia renovável é usada e onde [a JD.com] vai pressionar por uma pegada de carbono reduzida”.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler a versão original, em inglês)

Mais Recentes da CNN