Amazon e Google enfrentam investigação sobre revisão de avaliações falsas

O processo foi abertado por um regulador de concorrência da Grã-Bretanha

Logo do Google
Logo do Google Foto: Hannah McKay/Reuters (18.jan.2019)

James Davey e Yadarisa Shabong,

da Reuters

Ouvir notícia

 O regulador de concorrência da Grã-Bretanha iniciou uma investigação formal na sexta-feira (25) para saber se a Amazon e o Google não teriam feito o suficiente para prevenir ou remover avaliações falsas.

Junto com os reguladores nos Estados Unidos e na União Europeia, a Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA) intensificou seu escrutínio e fiscalização de grandes empresas de tecnologia nos últimos anos.

O regulador britânico disse que vai reunir mais informações para decidir se as empresas podem ter infringido a lei do consumidor ao tomar medidas insuficientes para proteger os consumidores. Tanto o Google quanto a Amazon disseram que continuavam ajudando o CMA.

A ação da CMA no ano passado sobre a negociação de críticas falsas resultou na remoção de grupos do Facebook, Instagram e eBay e banimento de indivíduos por comprar e vender críticas falsas em seus sites.

O Google disse na quinta-feira que iria atrasar o bloqueio de cookies de rastreamento em seu navegador Chrome após intervenção do CMA.

A investigação sobre avaliações teve início em maio de 2020, com foco nos sistemas e processos internos de várias plataformas para identificar e lidar com avaliações falsas.

O regulador informou também estar preocupado com o fato de os sistemas da Amazon terem falhado de forma adequada em prevenir e dissuadir alguns vendedores de manipular listas de produtos, por exemplo, cooptando análises positivas de outros produtos.

“Nossa preocupação é que milhões de compradores online possam ser enganados ao ler avaliações falsas e gastar seu dinheiro com base nessas recomendações”, disse o presidente-executivo do CMA, Andrea Coscelli, em um comunicado.

“Da mesma forma, simplesmente não é justo se algumas empresas podem falsificar avaliações de 5 estrelas para dar a seus produtos ou serviços o maior destaque, enquanto as empresas cumpridoras da lei perdem.”

Ação de Execução

CMA disse que não chegou a uma conclusão sobre se a Amazon e o Google, da Alphabet, infringiram a lei. No entanto, se concluir que violaram a lei de proteção ao consumidor, pode tomar medidas de execução que vão desde garantir compromissos formais para mudar a maneira como lidam com comentários falsos ou encaminhar para ações judiciais.

A Amazon disse que continuará a ajudar o CMA em suas investigações.

“Somos incansáveis na proteção de nossa loja e tomaremos medidas para impedir as avaliações falsas, independentemente do tamanho ou da localização de quem tentar esse abuso”, disse um porta-voz.

O Google também disse que continuará trabalhando com o regulador.

“Nossas políticas rígidas afirmam claramente que as avaliações devem ser baseadas em experiências reais e, quando encontramos violações das políticas, tomamos medidas – desde a remoção de conteúdo abusivo até a desativação de contas de usuários”, disse um porta-voz da empresa. 

Mais Recentes da CNN