American Airlines cancelou centenas de voos até julho por falta de funcionários

Aumento na demanda por voos e falta de mão de obra obrigam a empresa a diminuir a oferta de viagens

Boeing 787 da American Airlines
Boeing 787 da American Airlines Foto: American Airlines/Divulgação

Por Rashard Rose, da CNN

Ouvir notícia

American Airlines está cancelando centenas de voos até pelo menos meados de julho enquanto a empresa se esforça para manter o serviço em meio ao aumento maciço da demanda de viagens, uma vez que a pandemia de coronavírus continua a diminuir nos Estados Unidos, de acordo com um porta-voz do CIA aérea.

“As primeiras semanas de junho trouxeram um clima sem precedentes para nossos maiores ‘hubs’, impactando fortemente nossa operação e causando atrasos, voos cancelados e interrupções nas programações dos membros da tripulação e nos planos dos nossos clientes”, disse Shannon Gilson, porta-voz da companhia aérea, à CNN .

“Isso, combinado com a escassez de mão de obra com a qual alguns de nossos fornecedores estão enfrentando e o incrivelmente rápido aumento da demanda do cliente, nos levou a construir uma resiliência adicional e certeza para nossa operação ajustando uma fração de nossos voos programados até meados de julho “

Ainda assim, a fração de cancelamentos direcionados chega a centenas de voos até meados de julho. No sábado, a American Airlines ( AAL ) teve 120 cancelamentos, e a empresa projeta 50 a 80 cancelamentos de voos por dia a partir de agora, segundo Gibson.

Indústrias em todo o país tem lutado para contratar funcionários enquanto a economia tenta voltar ao normal pré-pandemia.

Os clientes que fizeram reservas até 15 de julho serão notificados ou já receberam notificações se seus voos foram cancelados para que possam fazer ajustes de viagem com antecedência, disse Gibson.

Gibson também disse que os cancelamentos serão espalhados por todo o seu sistema, para minimizar o impacto em uma única área, embora haja um efeito maior em Dallas-Fort Worth, um hub da American Airlines.

Este texto foi traduzido, clique aqui para ler o original.

Tópicos

Mais Recentes da CNN