Aplicativo ajuda afegãos a relatar surtos de violência após domínio do Talibã

Tecnologia permite também residentes do país a enviar dados sobre serviços, trânsito e casos de corrupção

Aplicativos disponíveis em tela de smartphone
Aplicativos disponíveis em tela de smartphone Reprodução

Clare DuffyJohn Generaldo CNN Business

Ouvir notícia

Quando o Talibã entrou em Cabul no mês passado, a equipe por trás do aplicativo de alerta de notícias crowdsourced Ehtesab abandonou seu escritório na cidade. Mas eles continuaram seu trabalho de fornecer aos afegãos informações críticas, como quais estradas estavam congestionadas e onde surtos de violência foram relatados.

Dias depois, quando duas explosões suicidas de homens-bomba mataram mais de 70 pessoas perto do aeroporto Hamid Karzai, em Cabul, enquanto as pessoas tentavam freneticamente sair, a startup usou seus contatos no solo para confirmar em minutos os ataques gêmeos.

O Ehtesab foi criado há três anos para fornecer alertas em tempo real e informações sobre incidentes em Cabul. O objetivo na época era manter os residentes engajados, preencher lacunas de comunicação entre os cidadãos e os funcionários públicos e responsabilizar os funcionários do governo.

Como o Citizen, um aplicativo nos Estados Unidos conhecido por alertas de crimes em tempo real, o Ehtesab solicita que os moradores relatem incidentes em toda a cidade, incluindo tudo, desde telecomunicações com defeito até manifestações planejadas.

Esses relatórios são verificados pela equipe de especialistas em segurança da Ehtesab.

Agora, esse serviço assumiu uma nova urgência em meio à rápida mudança política e social após a aquisição do Talibã. Embora o aplicativo tenha sido baixado apenas 5.000 vezes por pessoas em Cabul e em outros lugares – uma pequena porção dos milhões de residentes da cidade – a empresa diz que o uso aumentou nas últimas semanas.

“O foco principal tem sido, obviamente, fornecer relatórios que afetam o acesso dos afegãos aos alimentos, aos bancos, ao movimento”, disse à CNN Business Sara Wahedi, de 26 anos, fundadora da Ehtesab, que lidera a equipe de funcionários de Cabul. Wahedi se formou em direitos humanos e ciência de dados na Universidade de Columbia, em Nova York.

“Tentamos mitigar o máximo de ansiedade no dia a dia da melhor maneira possível na situação atual”, disse ela. “O principal problema que tenho é: como posso manter minha equipe segura?”

Um aplicativo para residentes de Cabul e além

Wahedi nasceu no Afeganistão, mas saiu com sua família aos seis anos, mais ou menos na época em que o regime anterior do Talibã no Afeganistão estava chegando ao fim. Ela se mudou para a Europa e depois se estabeleceu no Canadá com um visto de asilo.

Em 2016, ela fez uma pausa nos estudos de ciência política para retornar a Cabul, passando mais de um ano trabalhando em políticas de desenvolvimento social no gabinete do ex-presidente afegão Ashraf Ghani.

Em maio de 2018, Wahedi estava voltando do trabalho para casa, no centro de Cabul, quando ficou presa no meio de vários atentados suicidas. Ela conseguiu chegar em casa com segurança, mas, diz ela, no dia seguinte houve problemas de saneamento, falta de eletricidade e ruas fechadas.

“Fiquei muito confusa com o fato de que não havia plataforma … onde você pudesse encontrar informações verificadas em tempo real sobre o que estava acontecendo na cidade, especialmente uma cidade que está constantemente cambaleando com a instabilidade”, disse Wahedi.

“Parecia tão estranho para mim não haver estrutura. Não custaria muito para implementar algo assim.”

O público potencial para tal serviço havia crescido também. Em 2019, o Afeganistão tinha quase 10 milhões de usuários de internet e cerca de 23 milhões de usuários de celular, com 89% dos afegãos podendo acessar serviços de telecomunicações, de acordo com os últimos dados disponíveis do Ministério das Comunicações e Tecnologia da Informação do país.

No final de 2018, ela e três amigos começaram a trabalhar no Ehtesab. Três anos depois, o aplicativo agora tem uma equipe de cerca de 20 pessoas em Cabul, incluindo desenvolvedores, designers de experiência do usuário e funcionários que trabalham em relatórios de verificação.

Os usuários enviam relatórios por meio do aplicativo em uma das cinco categorias: segurança, trânsito, eletricidade, corrupção e outras. O aplicativo instrui os usuários a fornecer informações, incluindo localização, uma descrição por escrito e uma foto ou vídeo.

Depois de verificado por pelo menos duas fontes, o aplicativo exibe relatórios em um mapa de Cabul e adiciona atualizações à medida que mais informações estão disponíveis.

O futuro do Ehtesab

Desde que o Talibã assumiu o Afeganistão, o trabalho do Ehtesab se tornou não apenas mais perigoso, mas também mais desafiador. Anteriormente, o aplicativo era capaz de usar registros policiais locais e informações de funcionários do governo para ajudar a verificar os relatórios.

Agora está mais dependente de notícias, embaixadas estrangeiras e das Nações Unidas, muitas das quais reduziram sua presença em Cabul nas últimas semanas. A equipe também está trabalhando para certificar que nenhum relatório enviado pelos usuários possa ser rastreado pelo Talibã.

Apesar dessas dificuldades, bem como das preocupações de que o Talibã possa reprimir a internet amplamente como fez no início dos anos 2.000, Wahedi disse que a equipe não desiste.

“Isso é o que nos faz continuar no dia a dia, é sabermos que podemos fazer algo muito diretamente para ajudar”, disse ela. “[A equipe] disse: ‘Até que não possamos, até que eles fechem a internet, vamos continuar fazendo isso.’ E é isso que temos feito. ”

O Ehtesab planejava operar em pelo menos mais cinco cidades afegãs até dezembro, mas Wahedi disse que o retorno do Talibã provavelmente os atrasará até o próximo ano.

A empresa também está trabalhando para descobrir como ajudar o Ehtesab a alcançar não apenas cidadãos afegãos com smartphones, mas também aqueles em áreas rurais com dispositivos mais básicos e apenas serviço 3G.

Enquanto isso, Wahedi disse que o aplicativo poderia usar a ajuda da comunidade internacional de tecnologia, acrescentando que a equipe está em busca de experiência em áreas como geofencing, rastreamento de localização e serviços de satélite.

“Nós realmente precisamos das melhores mentes em tecnologia para trabalhar conosco e colaborar conosco sobre como podemos maximizar o potencial disso”, disse ela.

“Temos muito talento afegão e muitas empresas afegãs estão fazendo um ótimo trabalho. Mas, infelizmente, depois que o Talibã entrou, todos fizeram as malas e foram embora.”

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN