Após 13 reduções consecutivas, mercado eleva projeção para inflação em 2020

Os analistas do mercado financeiro elevaram a previsão para o desempenho do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 1,53% para 1,60%

Projeto estimula supermercados em doações de alimentos sobressalentes
Projeto estimula supermercados em doações de alimentos sobressalentes Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Anna Russi,

do CNN Brasil Business, em Brasília

Ouvir notícia

Os analistas do mercado financeiro elevaram a previsão para o desempenho do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 1,53% para 1,60%. É o primeiro aumento, após 13 semanas consecutivas, na projeção para a inflação em 2020. 

Os números fazem parte do relatório semanal Boletim Focus, publicado nesta segunda-feira (15) pelo Banco Central. O documento reúne a estimativa de mais de 100 instituições do mercado financeiro para os principais indicadores econômicos.

Ainda assim, em meio as incertezas econômicas, a expectativa continuar abaixo do piso da meta de inflação, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Neste ano, o centro da meta de inflação é de 4%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, podendo oscilar entre 2,5% a 5,5%.

O documento traz ainda, pela 18 edição consecutiva, uma revisão na estimativa de queda para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2020. A projeção subiu levemente de contração de 6,48% para 6,51%. 

Leia também:
‘Não precisam ficar apavorados’, diz Mansueto sobre sua saída do governo
Caixa libera hoje consulta ao saque emergencial do FGTS

Entre os indicadores que ajudam na piora do desempenho da economia é a produção industrial, que também foi revisada para pior. A expectativa é de que a atividade da indústria do Brasil recue 5,44% este ano. 

A piora nas projeções reflete as incertezas das instituições financeiras em meio ao avanço dos impactos da pandemia da Covid-19 na economia brasileira e mundial. 

Na semana passada, o Banco Mundial atualizou sua previsão oficial, estimando recessão se 8%. O Fundo Monetário Internacional espera queda de 5,3%. Já o Ministério da Economia, estima que o PIB caia 4,7% este ano. No entanto, a estimativa da pasta levava em conta o fim das medidas de distanciamento social em maio.

As projeções para este ano mostram que em 2020 a recessão da atividade econômica doméstica vai atingir o pior  patamar na história brasileira. Até hoje, a maior queda já registrada no PIB foi de 4,35%, em 1990, no  governo do ex-presidente Collor.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN