Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após desistir de celulares, LG encerra produção de monitores e notebooks em SP

    Depois de anunciar o fim da sua linha de celulares, a LG vai retirar produção de monitores e notebooks de SP, segundo sindicato, cortando 700 postos de trabalho

    Raphael Coraccini, colaboração para o CNN Brasil Business

    Ouvir notícia

    A LG anunciou para representantes do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté que a empresa vai fazer mais um corte em suas atividades no estado de São Paulo, encerrando toda a produção local, o que vai causar a demissão de 700 trabalhadores. As informações foram confirmadas pelo sindicato à CNN.

    A direção da empresa coreana no Brasil se reuniu na tarde desta terça-feira (06) com os representantes dos trabalhadores para falar sobre a decisão de encerrar as atividades globais de celulares, confirmada na segunda-feira (05) pela empresa, e anunciar também a retirada da produção de notebooks e monitores da planta de Taubaté.  

     

    Segundo o presidente do sindicato, Claudio Batista, “a LG reafirma a questão dos celulares, com o fim das atividades mundiais… Do monitor e do notebook, essas atividades serão encerradas aqui em Taubaté e transferidas para Manaus”.

    LG
    Logotipo da marca de tecnologia sul-coreana LG
    Foto: Sergio Perez/Reuters

     

    A LG alegou aos representantes dos trabalhadores ter benefícios fiscais no Amazonas, isenções das quais não dispõe no estado de São Paulo. A migração da operação causaria a demissão de 300 trabalhadores da linha de notebooks e monitores que se somariam a outros 400 que serão desligados por conta do encerramento das operações de celulares.

    Com o fim de dois terços da sua atividade no estado, a LG contará com apenas 300 pessoas do setor de call center da LG na planta que hoje abriga mil trabalhadores. Segundo o sindicato, a empresa garante que manterá o restante da operação em Taubaté.

    Uma nova reunião deve acontecer até sexta-feira para ajustar os termos do acordo de demissão coletiva. A LG não respondeu à reportagem até o momento da publicação.

    Tópicos

    Tópicos

    Mais Recentes da CNN