Ásia: Bolsas caem com pressão regulatória da China e variante delta no radar

A ação da Toyota teve queda de 4,09%, após relatos de que a montadora pretende cortar sua produção em 40% em setembro

Foto: Thomas Peter/Reuters

Sergio Caldas,

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

As bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta sexta-feira (20) em meio a incertezas regulatórias que cercam o setor de tecnologia chinês e preocupações com os desdobramentos da pandemia do novo coronavírus, à medida que a variante Delta continua se espalhando pelo mundo.

Em Tóquio, o índice japonês Nikkei caiu 0,98% hoje, a 27.013,25 pontos, pressionado em parte pelo setor automotivo. A ação da Toyota teve queda de 4,09%, após relatos de que a montadora pretende cortar sua produção em 40% em setembro, diante da escassez mundial de chips para veículos.

Já o Hang Seng liderou as perdas na Ásia, com baixa de 1,84% em Hong Kong, a 24.849,72 pontos, com temores de que o governo chinês endureça ainda mais a regulação para grandes empresas de tecnologia do país. O papel do gigante de comércio eletrônico Alibaba, por exemplo, recuou 2,59% na bolsa local. A China aprovou hoje uma lei de privacidade que vai restringir a ampla coleta de dados de usuários por companhias de tecnologia, segundo a agência de notícias estatal Xinhua.

 Na China continental, o Xangai Composto se desvalorizou 1,10%, a 3.427,33 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto caiu 1,17%, a 2.388,96 pontos. Como se previa, o banco central chinês manteve inalteradas nesta sexta suas principais taxas de juros de referência para empréstimos de curto e longo prazos, conhecidas como LPRs.

Em outras partes da região asiática, o sul-coreano Kospi recuou 1,20% em Seul, a 3.060,51 pontos, e o Taiex registrou perda modesta em Taiwan, de 0,20%, a 16.341,94 pontos.

Investidores também seguem atentos à disseminação da variante delta do coronavírus, que ameaça comprometer a recuperação da economia global. Ainda no radar está a possibilidade de aperto monetário nos EUA, após o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sinalizar esta semana que poderá começar a reduzir suas compras de ativos antes do fim do ano.

Na Oceania, a bolsa australiana fechou em baixa apenas marginal hoje, mas vem acumulando perdas por cinco pregões seguidos, seu pior desempenho desde março de 2020. O S&P/ASX 200 caiu 0,05% em Sydney, a 7.460,90 pontos. 

Mais Recentes da CNN