Associação de médicos peritos faz vistoria nas agências do INSS nesta segunda

Peritos se recusaram a voltar ao trabalho com a alegação de riscos de contaminação pela Covid-19

Da CNN

Ouvir notícia

As agências do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) serão vistoriadas a partir desta segunda-feira (21) pela Associação Nacional dos Médicos Peritos Federais (ANMP). O órgão decidiu realizar a inspeção por conta própria depois que o Ministério da Economia rompeu o diálogo com a categoria.

A retomada do atendimento da categoria nas agências estava prevista para até o final da semana passada, mas os peritos recusaram o retorno, alegando falta de condições de trabalho, além de riscos de contaminação pela Covid-19.

Leia e assista também:

O Grande Debate: INSS deve retomar perícias presenciais?
INSS inicia projeto-piloto que usa biometria facial para prova de vida; entenda
Não quer depender do INSS? É hora de pensar em fundos de previdência

Cadeiras marcadas para promover distanciamento social em agência do INSS
Cadeiras marcadas para promover distanciamento social em agência do INSS
Foto: CNN (21.set.2020)

De acordo com a pasta de Paulo Guedes, o próprio INSS havia feito uma vistoria dentro das agências e constatou que havia condições de retomar os trabalhos presenciais com segurança. 

Por conta desse impasse, a ANMP decidiu iniciar uma fiscalização em todas as agências a fim de verificar se estão aptas ou não. Caso avaliem que há condições de trabalho, os peritos devem voltar às atividades presenciais. 

Caso conclua que não há condições para o retorno seguro, a associação irá enviar um relatório ao INSS para que faça todas as alterações necessárias para a retomada dos peritos. 

Em nota divulgada na última quinta-feira (17), a ANMP afirmou que “não reconhece” a vistoria realizada pelo governo. “Não havia ali nenhum técnico de carreira gabaritado a emitir qualquer juízo de valor sobre os componentes da avaliação. O que houve foi uma “inspeção” política com visita de chefes a uma agência-modelo”, diz o comunicado.

(Edição: André Rigue)

Mais Recentes da CNN