Ausência em trabalho nos EUA triplica por causa da Ômicron, diz Goldman Sachs

Proporção de adultos que não trabalham por motivos relacionados ao vírus saltou de 1,2% em dezembro para 3,5% em janeiro

Getty Images

Matt Egando CNN Business

em Nova York

Ouvir notícia

A porcentagem da população americana adulta que não trabalha por motivos relacionados à Covid-19 triplicou entre dezembro e janeiro, segundo o Goldman Sachs.

O banco de Wall Street, citando a última pesquisa do Household Pulse com cerca de 75 mil entrevistados do Census Bureau, disse que a proporção de adultos que não trabalham por motivos relacionados ao vírus saltou de 1,2% em dezembro para 3,5% em janeiro.

Mark Zandi, economista-chefe da Moody’s Analytics, ressaltou no Twitter que a pesquisa mostra que 12 milhões de pessoas “não estavam trabalhando porque estavam doentes com o vírus, cuidando de alguém que estava infectado ou tinha medo de ficar doente”.

A pesquisa, feita nos primeiros 10 dias de janeiro, é “mais uma evidência do dano econômico que a Ômicron está causando”, segundo Zandi.

A rápida disseminação do Ômicron causou interrupções significativas nas últimas semanas, deixando os trabalhadores doentes e forçando outros a ficarem em quarentena. Tudo, desde coleta de lixo e serviços de emergência até companhias aéreas, foi interrompido.

“Os empregadores com trabalhadores voltados para o público, como escolas e prestadores de serviços de emergência, parecem ter tido parcelas particularmente grandes de sua força de trabalho isoladas devido ao vírus”, escreveram economistas do Goldman Sachs no relatório.

Entre 27 de dezembro e 7 de janeiro, uma média de 8% dos voos foram cancelados a cada dia, de acordo com o banco norte-americano. No entanto, os cancelamentos de voos diminuíram recentemente, “sugerindo um impacto decrescente do absenteísmo dos trabalhadores”, aponta o relatório.

Enquanto isso, a Ômicron está fazendo com que os americanos mudem seu comportamento, dando um golpe em setores da economia sensíveis ao Covid.

“A atividade em serviços sensíveis a vírus diminuiu drasticamente no último mês”, disse o Goldman Sachs. As viagens aéreas, por exemplo, diminuíram. O número de passageiros processados ​​nos aeroportos pela Transportation Security Administration caiu para cerca de 72% do nível de dois anos atrás, em comparação com 84% em novembro, segundo o Goldman Sachs.

Tanto a American Airlines quanto a United Airlines alertaram esta semana sobre a demanda reduzida devido à nova variante. “Enquanto a Ômicron está impactando a demanda de curto prazo, continuamos otimistas com a primavera e animados com o verão e além”, disse Scott Kirby, CEO da United Airlines.

O rastreamento do OpenTable de clientes sentados em restaurantes também diminuiu para uma margem semelhante, disse o Goldman Sachs.

 

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original)

Mais Recentes da CNN