Baidu negocia captação de US$ 2 bilhões para startup de biotecnologia

Os planos do Baidu ocorrem num momento de crescimento nos investimentos no setor de saúde desde o início da pandemia de Covid-19

Foto: Reuters/Tingshu Wang

Yingzhi Yang e Brenda Goh, da Reuters

Ouvir notícia

A gigante chinesa de tecnologia Baidu negocia com investidores a captação de até US$ 2 bilhões em três anos para uma startup de biotecnologia, que usará inteligência artificial (IA) para descobrir novos medicamentos e diagnosticar doenças, disseram duas fontes com conhecimento do assunto.

É improvável que a Baidu seja controladora, disse a primeira pessoa. Ambas as fontes falaram sob condição de anonimato, acrescentando que não tinham mais detalhes sobre o investimento porque as negociações estão em andamento.

Leia também:
Softbank perde US$ 13 bi em valor de mercado com queda de ações de tecnologia
Walmart começa a testar entregas com drones autônomos

Os planos do Baidu ocorrem num momento de crescimento nos investimentos no setor de saúde desde o início da pandemia de Covid-19, com muitas empresas expandindo para opções de diagnóstico online para preencher lacunas deixadas por hospitais superlotados e sobrecarregados.

O WeDoctor, apoiado pela Tencent, braço de saúde do Alibaba e a Ping An Good Doctor juntaram-se à briga para desenvolver aplicativos que oferecem diagnóstico, prescrições, agendamento de consultas, seguros e entrega de medicamentos em uma hora.

Mas a startup em discussão planeja se concentrar mais em áreas como descoberta e desenvolvimento de remédios e diagnóstico precoce de tumores, usando a poderosa tecnologia de IA do Baidu que pode realizar computação complexa para produzir inovações biológicas, disseram as fontes.

O nome da startup ainda não foi decidido, mas o Baidu iniciou o projeto há seis meses, disse uma das fontes, acrescentando que o fundador e presidente do Baidu, Robin Li, esteve pessoalmente envolvido no processo.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Tópicos

Mais Recentes da CNN