Banco Mundial quer mobilizar financiamento para recuperação do Líbano

O Banco Mundial disse em nota que "também estará disposto a reprogramar recursos existentes e a explorar financiamento para apoiar a reconstrução"

Danos causados por explosão na área portuária de Beirute, no Líbano: Banco Mundial quer ajudar na reconstrução
Danos causados por explosão na área portuária de Beirute, no Líbano: Banco Mundial quer ajudar na reconstrução Foto: Mohamed Azakir - 05.ago.2020 / Reuters

David Lawder, da Reuters

Ouvir notícia

O Banco Mundial anunciou nesta quarta-feira que está pronto para avaliar os prejuízos e necessidades do Líbano após a devastadora explosão ocorrida na véspera no porto de Beirute, e disse que ajudará a mobilizar financiamento público e privado para reconstrução e recuperação.

O Banco Mundial disse em nota que “também estará disposto a reprogramar recursos existentes e a explorar financiamento para apoiar a reconstrução das vidas e do sustento das pessoas impactadas por este desastre”.

A instituição não indicou quais recursos poderiam ser direcionados para uma iniciativa de recuperação. Em junho, o credor multilateral de desenvolvimento anunciou que realocaria 40 milhões de dólares de um programa existente de saúde de 120 milhões de dólares para o Líbano, que ajudaria o país a combater a pandemia de coronavírus. 

Leia também:
Líbano impõe prisão domiciliar a trabalhadores do porto após explosão

Pelo menos 135 pessoas foram mortas e 5 mil ficaram feridas na explosão no porto de Beirute, que também deixou até 250 mil pessoas desabrigadas após ondas de choque destruírem fachadas de edifícios. 

Também não ficou claro se o desastre irá alterar as difíceis negociações do Líbano com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Desde maio, o FMI e o Líbano tentam estabelecer um pacote amplo de resgate financeiro para estancar uma crise financeira que tem sido vista como a maior ameaça à estabilidade do país desde a guerra civil que durou entre 1975 e 1990. 

As conversas foram travadas após discordâncias em relação às perdas financeiras no sistema bancário do libanês.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN