Band-Aid fará curativos em tons de pele negra

Empresa anunciou no Instagram que apoia a 'luta contra o racismo, a violência e a injustiça' tomará ações para 'mudança tangível para a comunidade negra'

Band-Aid anunciou que voltará a fazer curativos em tons de pele negra
Band-Aid anunciou que voltará a fazer curativos em tons de pele negra Foto: Bloomberg

Chauncey Alcorn, da CNN

Ouvir notícia

Os curativos Band-Aid estão criando uma série que “abraça a beleza de diversas peles”, incluindo tons que combinam melhor com os clientes de pele negra. A marca da Johnson & Johnson fez o anúncio em um post no Instagram na quarta-feira (10).

Os curativos tradicionais em rosa suave da Band-Aid têm sido um ponto de discórdia entre os negros, que questionam por que a pele branca é o tom padrão para uma gama de produtos em tons de pele, incluindo sutiãs em cor “nude” e outras peças de vestuário.

A publicação da empresa no Instagram também observou que a Band-Aid planeja doar para a campanha Black Lives Matter. Um porta-voz disse que a marca doará US$ 100 mil para essa campanha, além dos US$ 10 milhões que a Johnson & Johnson já prometeu para “combater o racismo e a injustiça nos Estados Unidos” nos próximos três anos.

“Somos solidários com nossos colegas negros, colaboradores e comunidade na luta contra o racismo, a violência e a injustiça”, anunciou a Band-Aid no Instagram. “Estamos comprometidos a tomar ações para criar uma mudança tangível para a comunidade negra.”

Ver essa foto no Instagram

We hear you. We see you. We’re listening to you.? ? We stand in solidarity with our Black colleagues, collaborators and community in the fight against racism, violence and injustice. We are committed to taking actions to create tangible change for the Black community.? ? We are committed to launching a range of bandages in light, medium and deep shades of Brown and Black skin tones that embrace the beauty of diverse skin. We are dedicated to inclusivity and providing the best healing solutions, better representing you.? ? In addition, we will be making a donation to @blklivesmatter.? We promise that this is just the first among many steps together in the fight against systemic racism.? ? We can, we must and we will do better.

Uma publicação compartilhada por BAND-AID® Brand Bandages (@bandaidbrand) em

Não é a primeira vez que a Band-Aid lança produtos multirraciais. Em 2005, a empresa lançou sua marca Perfect Blend, que incluía uma linha de curativos projetada para combinar com tons de pele multirraciais. A linha foi interrompida por causa da “falta de interesse na época”, relatou a Band-Aid.

Hoje, a marca Perfect Blend vende produtos transparentes da Band-Aid.

“Estamos felizes por trazer de volta um produto similar com mais conforto e flexibilidade”, disse a Band-Aid em comunicado enviado à CNN, observando que lançou bandagens transparentes nos anos 50.

Na seção de comentários do anúncio da Band Aid, alguns usuários do Instagram — aparentemente não familiarizados com a extinta linha Perfect Blend da empresa — questionaram por que os curativos multicoloridos não estavam disponíveis anteriormente.

Assista e leia também:

Walmart deixa de lacrar cosméticos voltados para público negro nos EUA

Starbucks recua e permite que funcionários usem roupas do Black Lives Matter

Protestos ‘Vidas Negras Importam’ alcançam nova dimensão nos Estados Unidos

“Como isso pode ter demorado tanto??!!”, perguntou a consumidora @debbi3053.

Outras pessoas citaram que empresas concorrentes, de propriedade de empresários negros, como a Tru-Colour e a Browndages, foram fundadas anos atrás para resolver esse problema.

“Ok, mas apoie a @browndages, uma marca de propriedade dos negros que resolveu esse problema antes que você percebesse que havia tons de pele escuros…”, escreveu o usuário @dcdubz.

Starbucks, Walmart, Microsoft, Facebook, Apple e Bank of America estão entre as muitas marcas que mudaram suas práticas de negócios ou declararam suporte ao movimento Black Lives Matter nas últimas três semanas.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN