Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Banqueiro do JPMorgan Chase alerta para perda de US$ 1 bilhão por causa da Rússia

    Presidente e CEO do maior banco dos EUA detalhou pela primeira vez a extensão das perdas potenciais provocadas pela guerra na Ucrânia

    Fachada da sede do JPMorgan Chase & Co em Nova York
    Fachada da sede do JPMorgan Chase & Co em Nova York 19/10/2013REUTERS/Mike Sega

    Elizabeth Dilts MarshallMatt Scuffhamda Reuters

    em Nova York

    Ouvir notícia

    O presidente e CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, alertou nesta segunda-feira (4) que o banco pode perder cerca de US$ 1 bilhão em sua exposição à Rússia, sendo a primeira vez que detalhou a extensão de suas perdas potenciais resultantes do conflito na Ucrânia.

    Em sua carta anual aos acionistas, o executivo-chefe do maior banco dos EUA em ativos também instou os Estados Unidos a aumentar sua presença militar na Europa e reiterou um apelo para que desenvolva um plano para garantir a segurança energética para si e seus aliados.

    Dimon não forneceu detalhes sobre o número de perdas potenciais do JPMorgan ou um prazo, mas disse que o banco estava preocupado com o impacto secundário da invasão da Ucrânia pela Rússia em empresas e países. A Rússia chama suas ações de “operação especial”.

    Os bancos globais detalharam sua exposição à Rússia nas últimas semanas, mas Dimon é o líder empresarial mundial de maior destaque ainda a comentar sobre o impacto mais amplo do conflito.

    “A América deve estar pronta para a possibilidade de uma guerra prolongada na Ucrânia com resultados imprevisíveis. Devemos nos preparar para o pior e esperar pelo melhor”, escreveu ele.

    Dimon abordou o relacionamento entre os Estados Unidos e a China e disse que os Estados Unidos deveriam reformular sua cadeia de suprimentos para restringir seu escopo a fornecedores dentro dos Estados Unidos ou incluir apenas “aliados completamente amigáveis”.

    Ele instou os Estados Unidos a se juntarem novamente ao Acordo de Associação Transpacífico (TPP), um dos maiores acordos comerciais multinacionais do mundo.

    Comentando sobre o ambiente macroeconômico, Dimon disse que o número de aumentos nas taxas de juros do Federal Reserve “pode ser significativamente maior do que o mercado espera”.

    Ele também detalhou as despesas crescentes do banco, em parte devido a investimentos em tecnologia e custos de aquisição.

    A carta é a 17ª de Dimon como CEO. Embora Dimon não seja o único CEO de um importante banco dos EUA a escrever essas cartas, suas cartas se tornaram leituras obrigatórias entre a elite e os formuladores de políticas de Wall Street pela visão que eles fornecem sobre suas ideias políticas e econômicas.

    “Balanço da fortaleza”

    A carta deste ano vem no momento em que a guerra Rússia-Ucrânia e a alta inflação estão prejudicando a economia, e como Dimon enfrenta um novo ceticismo dos investidores sobre as despesas.

    Alguns questionam seus planos de aumentar os gastos com tecnologia da informação e campanhas do banco para conquistar participação de mercado em negócios e geografias onde o JPMorgan atualmente está atrás de concorrentes, como na Alemanha e no Reino Unido.

    Dimon passou mais de uma década construindo o que chama de “balanço da fortaleza” do banco e disse que agora é robusto o suficiente para que o JPMorgan possa suportar perdas de US$ 10 bilhões ou mais e “ainda estar em muito boa forma”.

    Embora Dimon tenha escrito que não está preocupado com a exposição do banco à Rússia, ele disse que a guerra na Ucrânia desacelerará a economia global e afetará a geopolítica por décadas.

    “Estamos enfrentando desafios a cada passo: uma pandemia, ações governamentais sem precedentes, uma forte recuperação após uma recessão global acentuada e profunda, uma eleição altamente polarizada nos EUA, inflação crescente, uma guerra na Ucrânia e sanções econômicas dramáticas contra a Rússia”, disse ele. .

    Sobre as aquisições, Dimon disse que o banco reduzirá as recompras de ações no próximo ano para atender aos aumentos de capital exigidos pelas regras federais “e porque fizemos algumas boas aquisições que acreditamos que melhorarão o futuro da nossa empresa”.

    O JPMorgan está em uma onda de compras, gastando quase US$ 5 bilhões em aquisições nos últimos 18 meses. Dimon disse que isso aumentará as “despesas de investimento incrementais” em cerca de US$ 700 milhões este ano.

    Os investimentos em tecnologia adicionarão US$ 2 bilhões às despesas deste ano, disse Dimon.

    Mais Recentes da CNN