Bianco: extensão de auxílio será suficiente para superar momento mais grave

Para o secretário especial de Previdência e Trabalho, parte mais grave do impacto econômico da Covid-19 já terá passado nesse período

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN nesta terça-feira (30), o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, disse que, com base em estudos técnicos, o governo federal chegou à conclusão de que mais dois meses de pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 serão “suficientes” para superar o momento “mais grave” da pandemia.

O Benefício Emergencial da Preservação de Emprego e da Renda (BEm) também será estendido por mais dois meses no que toca à suspensão de contratos de trabalho e mais um mês em relação à redução de jornada, disse Bianco. 

Assista e leia também:

Bolsonaro diz que espera reação da economia após novas parcelas do auxílio

Maia: se governo quer consolidar programas sociais, deve procurar Parlamento

Bianco afirmou também que já é possível ver uma retomada da economia e do mercado de trabalho e citou os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta segunda-feira (30).

O número de empregos formais no Brasil fechados em maio somou 331.901. Apesar do saldo negativo, na comparação com abril, as contratações avançaram 14%, e os desligamentos recuaram 32%.

Leia também:

Brasil fecha 331.901 vagas formais e registra pior maio da série do Caged

“O benefício emergencial é focado no trabalhador formal e o auxílio emergencial, no trabalhador informal. Portanto, conseguimos focar em todos, senão em quase todos os brasileiros”, disse. “Agora, nosso alvo é pegar um grupo de pessoas que faz parte do benefício emergencial, que são aquelas que já recebiam um benefício social, e aquelas que estão fora da força de trabalho porque estão recebendo um benefício social e segregá-los: muitos deles ficarão no benefício social, mas muitos querem e vão trabalhar, e o governo vai ajudá-los”, disse Bianco.

(Edição: Bernardo Barbosa)

 

Mais Recentes da CNN