Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bilionário dono da Ray-Ban, Leonardo Del Vecchio morre aos 87 anos

    Empresário italiano fundou a Luxottica em 1961 e construiu uma empresa proprietária da marca Ray-Ban

    Leonardo Del Vecchio, fundador e presidente da Luxottica, em 2013
    Leonardo Del Vecchio, fundador e presidente da Luxottica, em 2013 Stefania D'Alessandro/Getty Images

    Reuters

    Ouvir notícia

    Leonardo Del Vecchio, presidente da fabricante de óculos EssilorLuxottica (ESLOF) e uma das figuras empresariais mais ricas da Itália, morreu aos 87 anos, informou a empresa nesta segunda-feira.

    “A EssilorLuxottica anuncia hoje que seu presidente faleceu”, disse o grupo em comunicado, acrescentando que o conselho se reunirá para “determinar os próximos passos”.

    Del Vecchio passou de uma infância em um orfanato para acumular uma fortuna de dezenas de bilhões de euros em uma das histórias mais famosas da recuperação econômica da Itália no pós-guerra.

    “Leonardo Del Vecchio foi um grande italiano. Sua história, de orfanato à liderança de um império empresarial, parece uma história de outra época. Mas é um exemplo para hoje e amanhã. RIP”, disse o comissário europeu de Economia, Paolo Gentiloni, no Twitter.

    O empresário italiano fundou a Luxottica em 1961 e construiu uma empresa proprietária da marca Ray-Ban e uniu forças com a francesa Essilor em uma grande fusão em 2018.

    Ele permaneceu como presidente executivo da EssilorLuxottica até dezembro de 2020, quando entregou a liderança diária da empresa ao presidente-executivo Francesco Milleri. Ele havia apoiado pessoalmente Milleri como chefe da gigante de óculos franco-italiana quando o grupo fundido foi criado.

    A influência de Del Vecchio se estendeu além de seu próprio negócio e, no final de 2021, ele era o segundo homem mais rico da Itália, atrás de Giovanni Ferrero, do grupo de fabricação de Nutella, segundo a Forbes.

    Sua holding Delfin é o maior acionista do grupo italiano de serviços financeiros Mediobanca e tem uma participação de pouco menos de 10% na maior seguradora italiana Generali. Também detém cerca de 7% da empresa imobiliária Covivio, cotada em Paris e Milão.

    “Com a morte de Del Vecchio, o Milan perde uma das figuras mais emblemáticas de sua história recente”, disse o prefeito de Milão, Giuseppe Sala, no Twitter.
    As ações da Mediobanca caíram mais de 4% após os relatórios, a Generali caiu quase 2,5%, enquanto a EssilorLuxottica – na qual a Delfin detém uma participação de controle de 32% – permaneceu inalterada em pouco menos de 148 euros por ação.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN