Bolsas asiáticas fecham em baixa, após BC da China deixar juros inalterados

China e Japão vêm mantendo estímulos monetários para sustentar suas economias, ao contrário dos EUA, que estão elevando juros para tentar conter a inflação

Reuters

Sergio Caldas*, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em baixa nesta segunda-feira (20), à medida que investidores a digeriram decisão do banco central chinês de deixar seus principais juros inalterados e especularam sobre as chances de uma recessão nos EUA.

O índice acionário japonês Nikkei caiu 0,74% em Tóquio, a 25.771,22 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi sofreu queda mais robusta em Seul, de 2,04%, a 2.391,03 pontos, e o Taiex recuou 1,75% em Taiwan, a 15.367,58 pontos.

Na China continental, o Xangai Composto ficou praticamente estável, com perda marginal de 0,04%, a 3.315,43 pontos, mas o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,27%, a 2.158,34 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng ficou no azul, com alta de 0,42%, a 21.163,91 pontos.

Como se esperava, o BC chinês manteve hoje intactas suas taxas de juros de referência para empréstimos de curto e longo prazos. Para o ING, no entanto, é provável ainda que ocorram cortes de juros na China nos próximos meses, uma vez que a segunda maior economia do mundo deverá continuar se recuperando em ritmo lento em meio à sua política de “tolerância zero” contra a covid-19.

China e Japão vêm mantendo estímulos monetários para sustentar suas economias, ao contrário dos EUA, que estão elevando juros para tentar conter o avanço da inflação doméstica, que está nos maiores níveis em cerca de quatro décadas.

Na semana passada, o Banco do Japão (BoJ) reiterou sua postura ultra-acomodatícia, ao passo que o Federal Reserve (Fed, o BC americano) anunciou o maior aumento de juros desde 1994, alimentando temores de que os EUA entrem em recessão, fator que levou o Dow Jones e o S&P 500 a registrarem suas maiores perdas semanais desde 2020 na última semana.

A possibilidade de uma recessão nos EUA tem pressionado os mercados globais, inclusive os da Ásia. Na projeção do Bank of America, a economia americana tem 40% de chances de enfrentar uma recessão no próximo ano. Nesta segunda, as bolsas de Nova York não vão operar devido a um feriado nacional.

Na Oceania, a bolsa australiana terminou o pregão de hoje no menor nível desde novembro de 2020, pressionada por ações de mineradoras e petrolíferas. O S&P/ASX 200 caiu 0,64% em Sydney, a 6.433,40 pontos.

*Com informações da Dow Jones Newswires

Mais Recentes da CNN