Bolsas da Ásia fecham na maioria em alta, após FMI mais otimista e dados chineses

Na Coreia do Sul e em Hong Kong, por outro lado, os mercados recuaram pelo segundo dia consecutivo

Foto: Kim Kyung-Hoon/Reuters

Sergio Caldas,

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta quarta-feira (27), um dia após o Fundo Monetário Internacional (FMI) apresentar prognóstico mais otimista para a economia mundial este ano e também na esteira de dados chineses positivos.

O índice acionário japonês Nikkei subiu 0,31% em Tóquio hoje, a 28.635,21 pontos, impulsionado por ações do setores imobiliário e alimentício, enquanto na China continental, o Xangai Composto teve modesta alta de 0,11%, a 3.573,34 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,28%, a 2.420,92 pontos. No mercado taiwanês, o Taiex registrou ganho de 0,27%, a 15.701,45 pontos.

Na terça-feira (26), o FMI elevou sua projeção de crescimento da economia global em 2021, de 5,2% para 5,5%, graças às campanhas internacionais de vacinação contra a Covid-19 e a aprovação de estímulos econômicos no fim do ano passado em países desenvolvidos, sobretudo EUA e Japão.

Já nesta madrugada, foram divulgados números que evidenciam a trajetória de recuperação da China, segunda maior economia do mundo. Em dezembro, o lucro de grandes empresas industriais do país deu um salto anual de 20,1%, ganhando força em relação ao acréscimo de 15,5% visto em novembro. No acumulado de 2020, o lucro industrial chinês avançou 4,1%.

Na Coreia do Sul e em Hong Kong, por outro lado, os mercados recuaram pelo segundo dia consecutivo, dando continuidade a um movimento de realização de lucros que se segue a um rali recente. O sul-coreano Kospi caiu 0,57% em Seul, a 3.122,56 pontos, e o Hang Seng teve baixa de 0,32% em Hong Kong, a 29.297,53 pontos.

Investidores na Ásia também operaram na expectativa para a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), a ser anunciada na tarde desta quarta. A expectativa é que o presidente do Fed, Jerome Powell, mantenha o compromisso com sua política ultra-acomodatícia em meio à pandemia do novo coronavírus.

Na Oceania, a bolsa australiana, que ontem não operou devido a um feriado nacional, ficou no vermelho, pressionada por ações de petrolíferas e mineradoras. O S&P/ASX 200 recuou 0,65% em Sydney, a 6.780,60 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires).

Mais Recentes da CNN