Bolsas da Ásia fecham na maioria em alta, com ganhos em Tóquio; Xangai recua

O setor de tecnologia, que inclui fornecedores de eletrônico e desenvolvedores de software, pesou sobre o mercado

Foto: Aly Song/Reuters

Gabriel Bueno da Costa,

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

Os mercados acionários da Ásia não tiveram sinal único, nesta terça-feira, (19), mas subiram na maioria. Na China, houve ajuste após ganhos recentes, enquanto em Tóquio o quadro foi mais positivo, apoiado pela expectativa de recuperação econômica global.

Na China, a Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,83%, em 3.566,38 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, recuou 0,96%, a 2.489,23 pontos. O mercado local passou por um ajuste, após um rali forte nas primeiras sessões do ano. O setor de tecnologia, que inclui fornecedores de eletrônico e desenvolvedores de software, pesou sobre o mercado, após ganhos recentes que podem ter aberto espaço para a correção.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei terminou em alta de 1,39%, em 28.633,46 pontos, puxado por ações de montadoras e companhias de semicondutores, bem como pela expectativa de recuperação global, ainda que no próprio Japão o quadro da covid-19 continue a inspirar cuidados. Investidores monitoram com atenção as medidas do governo local para conter a pandemia.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng registrou alta de 2,70%, a 29.642,28 pontos, em sessão protagonizada por papéis de tecnologia. Na Coreia do Sul, o índice Kospi subiu 2,61%, para 3.092,66 pontos, com montadoras em destaque diante da expectativa de balanços em geral positivos nesse setor no país. Além disso, Samsung Electronics registrou alta de 2,5%, recuperando-se de um tombo no pregão anterior. Em Taiwan, o índice Taiex fechou em alta de 1,70%, em 15.877,37 pontos.

Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 subiu 1,19%, para 6.742,60 pontos. Bancos, mineradoras e o setor de tecnologia estiveram entre os destaques hoje, na Bolsa de Sydney, apoiada por ganhos em outros mercados acionários pelo mundo durante a sessão local. (Com informações da Dow Jones Newswires).

Mais Recentes da CNN