Bolsas da Ásia têm dia instável de olho nos EUA; Tóquio bate máxima de 30 anos

Ações de bancos e construtoras foram impulsionadas pela percepção de que, por ter formado maioria no Congresso, Joe Biden conseguirá aprovar estímulos

Foto: Toru Hanai/File Photo/Reuters

Eduardo Gayer,

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

As bolsas da Ásia encerraram a sessão desta quinta-feira (7) sem direção única, com a conquista do controle do Senado americano pelos democratas em foco. Ações de bancos e construtoras, por um lado, foram impulsionadas pela percepção de que, por ter formado maioria no Congresso, o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, conseguirá aprovar estímulos à economia.

A bolsa de Tóquio chegou a bater recorde intraday em 30 anos. Por outro lado, papéis de techs foram penalizados, com a agenda favorável a regulações e alta de impostos sobre as techs no radar e o peso do novo recuo da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), que agora decidiu, mais uma vez, retirar de sua listagem empresas do setor tecnológico da China por suposta ligação com o exército de Pequim.

Leia também:
Quem comprou ação no pior dia da crise ganhou até 466% em 2020; veja a lista
Fuga de dólares: Brasil perdeu US$ 72 bi em 2 anos de gestão Bolsonaro
Em ata, Fed diz que mudanças em compras de títulos dependerão da economia

Até o fim dos negócios, Biden ainda não havia sido certificado pelo Congresso americano. O democrata foi certificado no início da manhã desta quinta, pelo horário brasileiro.

Com a iminência de mais ajuda do governo americano à economia golpeada pelo coronavírus, o índice Nikkei, do mercado da capital japonesa, encerrou o dia em alta de 1,60%, a 27.490,13, pontos, após bater 27.624,73, nível inédito desde agosto de 1990.

A companhia industrial Hitachi Zosen Corp saltou 13,68% e Shinsei Bank, 5,26%. A tendência foi seguida pelo índice Kospi, da bolsa de Seul, que avançou 2,14%, para 3.031,68 pontos.

Na China continental, o índice de Xangai encerrou a sessão em alta de 0,71%, aos 3.576,20 pontos, e o de Shenzhen, de 1,11%, a 15.356,40 pontos. Já na Bolsa de Sidney, o índice S&P/ASX se fortaleceu 1,59%, a 6.712,00 pontos.

Mas o lado “regulatório” do programa de governo de Biden, tal como aconteceu com companhias negociadas em Wall Street, pressionou os papéis de techs asiáticas, especialmente pressionadas pelo “expurgo” da NYSE. Em Hong Kong, o índice Hang Seng perdeu 0,52%, para 27.548,52 pontos.

As companhias que foram novamente retiradas da listagem da bolsa de Nova York despencaram: China Mobile fechou o dia com tombo de 7,18%; China Unicom, de 11,35%; e China Telecom, de 9,38%.

Mais Recentes da CNN