Bolsonaro cancela urgência da Reforma Tributária 

Objetivo da equipe econômica com a decisão é priorizar a reforma administrativa

Basília Rodriguesda CNN

Ouvir notícia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cancelou nesta sexta-feira (4) a urgência que o governo pediu inicialmente para a tramitação da reforma tributária enviada ao Congresso em julho.

A decisão, de acordo com integrantes da equipe economia, é um movimento  priorizar a tramitação da reforma administrativa, enviada nesta quinta-feira à Câmara.

Leia mais:
Maia e Planalto acertaram retirada de urgência da Reforma Tributária
Reforma administrativa: veja o que pode mudar com a proposta do governo
Governo entrega reforma administrativa ao Congresso

O presidente Jair Bolsonaro discursa durante evento no interior de São Paulo
O presidente Jair Bolsonaro discursa durante evento no interior de São Paulo
Foto: CNN (3.set.2020)

O despacho assinado por Bolsonaro com o cancelamento da reforma foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União de hoje.

À coluna, Maia afirmou na quarta-feira que nada impedia votar a reforma administrativa em dezembro, após a votação da reforma tributária, o que, de acordo com líderes, como Baleia Rossi, do MDB, poderia ocorrer em outubro.

A alteração na estratégia do governo foi formalizada um dia após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirma em entrevista à CNN que Guedes deixou de conversar com ele, tendo proibido também seus auxiliares de falar com o deputado.

O governo formalmente deu outras justificativas.

Em nota, a Secretaria de Ggoverno explicou que a retirada da urgência do texto se deve ao fato de que ele trancaria a pauta na Câmara dos Deputados a partir da próxima semana, impedindo que outros projetos fossem apreciados.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, explicou que haverá mudanças no texto e que o tempo a mais servirá “para que o deputado Aguinaldo Ribeiro possa incluir a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) no novo IVA, em negociação com estados e municípios englobando ICMS e ISS”.

Mais Recentes da CNN