Bradesco, Totvs: 10 ações recomendadas por corretoras para investir em julho

Papéis de commodities e bancos dominam as recomendações de corretoras para investir neste mês

Foto: NurPhoto/Getty Images

Leonardo Guimarães,

do CNN Brasil Business, em São Paulo

Ouvir notícia

Junho foi (mais um) mês de recorde na bolsa brasileira. O otimismo com uma retomada econômica global fez o Ibovespa alcançar sua máxima histórica, de 131.190 pontos, no início do mês. A alta no minério de ferro contribuiu para o resultado positivo no início de julho. 

O ponto de virada foi a proposta do governo federal de taxar em 20% os dividendos distribuídos pelas empresas de capital aberto. A sugestão faz parte de um pacote de medidas que integram a segunda parte da reforma tributária

Investidores também reagiram mal à proposta de um imposto sobre os rendimentos distribuídos pelos fundos imobiliários

Ainda pesou no índice o aumento da taxa básica de juros (Selic) e a perspectiva de novos aumentos nas próximas reuniões do Comitê de Política Monetária do Banco Central. 

Em julho, o mercado vai ficar de olho na crise política que se acentuou nos últimos dias do mês anterior, com atenção especial à CPI da Pandemia. O “superpedido” de impeachment, protocolado por lideranças da esquerda e da direita, também pode fazer preço no mercado acionário neste mês. 

A carteira 

Tradicionalmente dominada pelo setor financeiro, a carteira de julho do CNN Brasil Business tem um peso menor desse segmento com a saída do Itaú (ITUB4). Nenhuma das sete corretoras ouvidas pelo CNN Business recomendou o papel para investir em julho. BTG Pactual, B3 e Bradesco são os representantes do setor financeiro que seguem na carteira. 

Para chegar a essa lista, recebemos recomendações de ações em que os investidores devem ficar de olho. Neste mês, as corretoras que participaram do levantamento foram Santander, Toro Investimentos, Guide, Genial Investimentos, Órama, Investmind e Easynvest. Cada uma delas sugeriu 10 papéis, com peso respectivo de 10%.

BTG Pactual 

Ação: BPAC11

Comentário: Sergio Franco, head de Renda Variável da Órama Investimentos

O banco vem se consolidando como uma plataforma completa de serviços financeiros, que atende desde a pessoa física até os clientes mais sofisticados. Assim, enxergamos com bons olhos o aumento nas taxas de juros, que resulta em maiores spreads cobrados nas operações de intermediação e gera uma ampla gama de possibilidades de estruturação e prestação de serviços. 

Ressaltamos ainda o notável crescimento das operações que o banco entregou ao longo de 2020, com especial atenção para os serviços de wealth management, que geram importantes sinergias e receitas para a companhia. O grande ativo do banco é a excelência do seu time e sua capacidade de entrega.

Vale 

Ação: VALE3

Comentário: Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos 

Temos uma visão construtiva para a Vale. Ressaltamos o foco do management no controle de custos, além da contínua redução de capex e endividamento. Além disso, os preços de minério continuam em patamares elevados (fruto da menor oferta no mercado), enquanto a empresa negocia a múltiplos descontados.

Alguns triggers (gatilhos) são: forte valorização do minério no mercado internacional; a maior demanda da China por minério de maior qualidade; melhorias operacionais, reflexo da forte redução de custo caixa, deverão compensar tais efeitos negativos e queda de produção.

Outro ponto importante foi o acordo para indenizar o estado de Minas Gerais na tragédia de Brumadinho em 2019, no valor de R$ 37 bilhões, com parcelas previstas para os próximos anos, suavizando o impacto no caixa da companhia e permitindo manter o pagamento de dividendos em níveis elevados.

A Vale informou neste mês que fará a distribuição de R$ 2,189670064 por ação em dividendos aos seus acionistas. Vemos o movimento com bons olhos por ser uma primeira sinalização de um forte pagamento de proventos que deve ocorrer ao longo do ano.

Avaliamos a entrada em Vale nesse momento a patamares interessantes, negociada a 3.1x EV/Ebitda, contra uma média de 4.8x do setor.

B3 

Ação: B3SA3

Comentário: Rafael Panonko, analista chefe da Toro Investimentos

Considerada uma das companhias com maior capacidade tecnológica do mercado financeiro mundial, a B3 conta com atuação monopolística no mercado de capitais brasileiro. Somado a isso, a sua governança, gestão e eficiência operacional proporcionam boa rentabilidade e margens altas para a Empresa, que também vem sendo beneficiada pelo aumento na base de investidores e pelo crescimento do volume total de ofertas públicas (IPOs) e oferta subsequente de ações (follow-on). Sendo assim, possuímos perspectivas positivas para o ativo B3SA3 no mês de julho. 

Bradesco 

Ação: BBDC4

Comentário: Sergio Franco, head de Renda Variável da Órama Investimentos

O Bradesco é um dos maiores bancos deste país, com o seu principal negócio na concessão de crédito, mas também em serviços financeiros, investment banking e seguros. O banco possui um economics razoavelmente estável, com previsibilidade nos números de curto prazo.

Optamos por colocar o banco na nossa carteira primeiramente pela relevância do business de concessão de crédito no negócio, em especial no que se refere aos clientes large corporate. Este será um dos últimos negócios a serem atacados pelas fintechs, além de se beneficiar de um fator conjuntural que é a alta da Selic.

O business de seguro de saúde também deve se beneficiar dessas mesmas componentes. Acreditamos que alguns dos grandes bancos brasileiros foram extremamente conservadores no seu provisionamento pós-covid, e o Bradesco foi um desses. Esperamos uma reversão dessas provisões nos próximos resultados, o que é mais um fator conjuntural que deverá melhorar os números do banco. 

Petrobras 

Ação: PETR4

Comentário: Rafael Panonko, analista chefe da Toro Investimentos

Acreditamos que as ações da Petrobras se encontram bem descontadas no atual patamar e também estão com múltiplos mais descontados face aos pares internacionais, precificando de certa forma as incertezas oriundas do cenário político nacional. Em conjunto com a perspectiva positiva para o aumento na demanda por petróleo e seus derivados no atual período de retomada econômica, vemos um potencial de valorização para os papéis da Empresa e, por isso, mantemos nossa recomendação de compra em PETR4.

Totvs

Ação: TOTS3

Comentário: Rafael Panonko, analista chefe da Toro Investimentos

Com atuação diversificada em vários segmentos econômicos, a Totvs é considerada líder no mercado de sistemas de gestão empresarial. A Companhia também se destaca pelas ações de melhoria operacional para redução de custos e despesas, enquanto tem realizado um projeto continuado de expansão de seus negócios. Além disso, a empresa segue focada em alterar a natureza das suas receitas, concentrando-se na venda de subscrições. Dessa forma, consideramos que o investimento em TOTS3 é uma boa opção para o mês de julho. 

Multiplan 

Ação: MULT3

Comentário: Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos

Mantendo sua postura, a Multiplan tomou medidas conservadoras e pragmáticas que ajudaram a companhia a amenizar os impactos causados pela pandemia. Agora, com a companhia já operando com seus shoppings abertos, aceleração no cronograma de vacinação em massa e performance operacional robusta, acreditamos que a recuperação da companhia deva ganhar mais tração.

Com um portfólio de ativos dominantes e localização premium, a companhia dispõe de um mix de lojistas ímpar, com ampla diversificação e exposição a consumidores menos impactados pela perda de renda causada pela pandemia. Com isso, vemos a companhia muito bem posicionada para o momento de reabertura da economia e temos expectativa de uma recuperação mais rápida do que o esperado.

Marfrig

Ação: MRFG3

Comentário: Rafael Panonko, analista chefe da Toro Investimentos

Considerada a segunda maior produtora de carne bovina do mundo, o desempenho da Marfrig vem sendo auxiliado pelo aumento da demanda mundial pela commodity e pelo câmbio favorável para as exportações. A Companhia ainda se beneficia do forte ciclo do gado nos Estados Unidos e da diversificação do seu portfólio de produtos. Tais fatores embasam nossa recomendação de compra para os ativos MRFG3 em julho.

Klabin 

Ação: KLBN11

Comentário: Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos

No cenário atual a empresa tem se beneficiado em todos os seus segmentos: embalagem para alimentos e bebidas, tissue (papel higiênico e lenços de papel), e caixas de papelão para transporte dos produtos no e-commerce. Os volumes crescentes nas vendas, tanto de papel quanto de celulose demonstram este cenário positivo.

 Gostamos do modelo de negócio da companhia, que é integrado, flexível e diversificado, gerando uma grande vantagem competitiva. Além disso, cerca de 50% das vendas da companhia são voltadas ao mercado externo, enquanto apenas 7% de seus custos são em dólar, gerando ganhos significativos no cenário atual de câmbio depreciado.

Por fim, a Klabin adquiriu recentemente o negócio de papéis para embalagens e papelão ondulado da International Paper, o que reforça o compromisso da cia com o setor de embalagens e também com a geração de valor para seus acionistas. O outro foco para o ano de 2021 é o projeto Puma II, que tornará a Klabin a terceira maior vendedora de Kraftliner no mundo.

Mais Recentes da CNN