Brasil está investindo menos em inovação, diz IBGE

Dados revelam que o setor da indústria foi o mais afetado

Trabalhadores em linha de montagem de caminhões em fábrica da Mercedes Benz em São Bernardo do Campo, Brasil: setor industrial foi o que menos investiu em inovação (27.mar.2018)
Trabalhadores em linha de montagem de caminhões em fábrica da Mercedes Benz em São Bernardo do Campo, Brasil: setor industrial foi o que menos investiu em inovação (27.mar.2018) Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Gustavo Lago

Da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Entre 2015 e 2017, apenas 33,6% das 116.962 empresas brasileiras com dez ou mais trabalhadores fizeram algum tipo de inovação em produtos ou processos. É o que aponta a Pesquisa de Inovação (Pintec), feita a cada três anos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgada nesta quinta-feira (16). O levantamento leva em conta investimentos, pesquisas, compras de equipamentos, desenvolvimento de produtos, entre outros aspectos.

Este resultado é 2,4 pontos percentuais menor do que o valor registrado no triênio anterior (2012-2014), quando os investimentos em inovação atingiriam 36%.

Dados revelam que o setor da indústria foi o mais afetado. As inovações na área reduziram de 36,4% para 33,9% em 2017 – o menor patamar das últimas três edições.

Leia também:
Governo projeta que país completará uma década com contas no vermelho
‘Não é preciso privatizar por privatizar’, defende Mansueto

Investimentos

As empresas investiram R$ 67,3 bilhões em inovação, em 2017. Em 2014 este resultado foi melhor, quando R$ 81,5 bilhões foram investidos. Uma redução de 17,42%.

“Do total de gastos, R$ 25,6 bilhões foram para atividades internas de Pesquisa e Desenvolvimento. Outros R$ 21,2 bilhões foram aplicados na aquisição de máquinas e equipamentos e R$ 7 bilhões na aquisição externa de Pesquisa e Desenvolvimento”, informa o IBGE.

A taxa de empresas brasileiras beneficiadas com algum incentivo do governo recuou de 39,9%, em 2014, para 26,2%, em 2017. Esta queda foi puxada pelo financiamento à compra de máquinas e equipamentos – considerada a principal fonte de incentivo à inovação. Neste caso, o total de empresas que fizeram esse tipo de empréstimo caiu de 29,9% para 12,9%.

Por outro lado, houve aumento na proporção de empresas que inovaram apenas em produtos. Este seguimento subiu de 3,9% em 2014 para 5,1% em 2017.

Mais Recentes da CNN