China cria cerco regulatório que mira empresas privadas de educação

As autoridades chinesas baniram esses serviços de levantamento de capital e propriedade estrangeira e proibiram aulas nos finais de semana

Bandeira da China
Bandeira da China Foto: REUTERS/Kim Kyung-Hoon

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

A China confirmou que tomará medidas drásticas para conter o boom da indústria de tutoria privada pós-escola do país. As restrições, publicadas no fim de semana pela mídia estatal, são o cerco regulatório mais recente a uma parte em rápido crescimento da economia chinesa.

No sábado (24), Pequim divulgou regras que forçariam os serviços de tutoria que ensinam disciplinas escolares aos alunos durante os anos obrigatórios a serem administrados como operações sem fins lucrativos. Além disso, as autoridades chinesas baniram esses serviços de levantamento de capital e propriedade estrangeira e proibiram aulas nos finais de semana e feriados públicos ou escolares.

Os investidores estão cada vez mais preocupados com as perspectivas do setor, à medida que Pequim se empenha em enfrentar os crescentes custos educacionais que ajudaram a impedir que muitas famílias tivessem mais filhos.

Os movimentos ocorrem após uma repressão em vários setores da indústria de tecnologia da China que abalou empresas como Alibaba e Didi Global. 

Tópicos

Mais Recentes da CNN