Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China vai devolver retaliação aos EUA, após medidas americanas sobre Hong Kong

    O presidente americano Donald Trump iniciou um processo para retirar o tratamento especial, em termos comerciais, dado à ilha

    Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do presidente da China, Xi Jinping
    Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do presidente da China, Xi Jinping Foto: Kevin Lamarque/Reuters

    Ouvir notícia

    Nesta segunda-feira (1º), o governo da China disse que as tentativas dos Estados Unidos (EUA) de prejudicar seus interesses serão enfrentadas com contrapartidas firmes. No comunicado, as autoridades chinesas criticaram a decisão norte-americana de encerrar o tratamento especial dado até então a Hong Kong, além das punições contra estudantes e empresas chinesas.

    Na semana passada, o Parlamento chinês votou pela imposição de uma lei de segurança nacional para Hong Kong. Em resposta, o presidente dos EUA, Donald Trump, descreveu a nova regra como “uma tragédia” para o povo da cidade e disse que o governo violou a promessa chinesa de proteger a autonomia da ilha.

    Trump ordenou que seu governo inicie o processo de eliminação do tratamento especial dado a Hong Kong, para punir a China, o que envolverá desde o tramite para extradições até controles sobre as exportações. Mas ele não chegou a pedir o fim imediato dos privilégios que ajudam a ex-colônia britânica a continuar sendo um centro financeiro global.

    Leia também:

    Trump ataca China e diz que vai encerrar privilégios comerciais de Hong Kong

    Nova disputa contra a China pode agravar a pior recessão da história dos EUA

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que seu país se opõem com firmeza às ações dos EUA. “As medidas anunciadas interferem gravemente com os assuntos internos da China, danificam as relações EUA-China e prejudicarão os dois lados. A China se opõe com firmeza a isto”, disse Zhao aos repórteres durante uma entrevista.

    “Quaisquer palavras ou ações dos EUA que prejudiquem os interesses da China se depararão com um contra-ataque firme da China.” Mas o mercado acionário de Hong Kong subiu mais de 3% nesta segunda-feira, já que os investidores se tranquilizaram ao ver que Trump não acabou com os privilégios especiais dos EUA de imediato.

    “Os formuladores de política chineses provavelmente gostariam de ver precisamente o que os EUA implantam antes de reagirem com novos ajustes de políticas ou sua própria retaliação”, escreveu a Goldman Sachs em um boletim no domingo.

    Ao fazer o anúncio de sexta-feira, Trump empregou uma retórica dura como poucas vezes antes contra a China, dizendo que o país asiático descumpriu sua palavra a respeito da autonomia de Hong Kong ao decidir a imposição de uma nova lei de segurança nacional e que o território não justifica mais os privilégios econômicos dos EUA.

    Trump disse que a “conduta ilegal” da China é responsável por um sofrimento maciço e por danos econômicos em todo o mundo e que sua nação também imporá sanções a indivíduos considerados responsáveis por “sufocar – sufocar totalmente – a liberdade de Hong Kong”.

    Mais Recentes da CNN