Clientes do Caixa Tem devem atualizar cadastros; veja calendário e como fazer

O procedimento deve ser feito pelo celular, no aplicativo criado para pagamento de benefícios assistenciais, como auxílio emergencial e Bolsa Família

Foto: Agência Brasil

Wesley Santana, colaboração para o CNN Brasil Business

Ouvir notícia

Os clientes que têm conta no Caixa Tem devem realizar, a partir do domingo (14), a atualização de seus dados cadastrais no aplicativo. A medida tem como objetivo diminuir as fraudes bancárias e ampliar a segurança dos pagamentos da nova rodada do auxílio emergencial, que devem ocorrer nos próximos meses.

Este procedimento deve ser feito no próprio celular do correntista, na seção “Atualize seu cadastro” que estará disponível na página inicial. Durante o processo, os usuários vão precisar enviar fotos de seus documentos pessoais (RG, CPF e comprovante de residência) e tirar uma selfie para comprovar a autenticidade do cadastro.

Segundo a Caixa, o processo será liberado para os usuários, conforme o mês de nascimento. No primeiro dia, a atualização cadastral estará disponível para os nascidos em janeiro. O calendário segue até o dia 31 de março, quando será a vez dos aniversariantes de dezembro. Veja o calendário de atualização:

Não precisa ir a agência

A Caixa ressalta que não é preciso se dirigir a uma agência física, visto que o procedimento será feito exclusivamente pelo celular.

Além disso, a atualização da conta social digital não impacta no recebimento dos benefícios sociais, como o auxílio emergencial, Abono PIS e saque emergencial do FGTS.

Com este movimento, o banco quer melhorar a segurança das transações digitais, passada a rapidez em que a plataforma foi inaugurada, no ano passado, para efetivar os pagamentos das parcelas do auxílio emergencial. 

“Foram 105 milhões de contas criadas para o pagamento do auxílio e de outros benefícios do governo. Com isso, a Caixa conseguiu bancarizar mais de 35 milhões de pessoas por meio de um aplicativo leve e sem custo, criado para atender a necessidade dos brasileiros”, diz a instituição financeira.  

Mais Recentes da CNN