Cofundador da stablecoin terraUSD tenta estabilizar preços da cripto com tuítes

Cripto chegou a ficar abaixo de US$ 0,30 nesta quarta-feira (11), antes de se recuperar para US$ 0,60

TerraUSD, também conhecido como 'UST', caiu abaixo de sua indexação de 1:1 ao dólar esta semana
TerraUSD, também conhecido como 'UST', caiu abaixo de sua indexação de 1:1 ao dólar esta semana Foto: Art Rachem/Unsplash

Alun JohnElizabeth Howcroftda Reuters

Ouvir notícia

A criptomoeda terraUSD, uma stablecoin – token a um ativo tradicional, como o dólar – despencou nesta semana. Porém, seu cofundador, Do Kwon, pelo Twitter, afirmou que, no futuro, será apoiada em reservas em vez de um algoritmo de lastro. Uma tentativa de estabilizar os preços.

O terraUSD, também conhecido como ‘UST’, caiu abaixo de sua indexação de 1:1 ao dólar esta semana, agitando ainda mais os mercados de criptomoedas – que já estava movimentado por conta da desvalorização do bitcoin, que atingiu o valor mais baixo em quase 17 meses.

A cripto chegou a ficar abaixo de US$ 0,30 nesta quarta-feira (11), antes de se recuperar para US$ 0,60, segundo o site de preços Coingecko.

Ao contrário da maioria das outras stablecoins importantes apoiadas por outros ativos, o valor do TerraUSD é derivado de processos algorítmicos complexos, vinculados a outro token chamado luna.

O cofundador da empresa por trás do terraUSD então informou um plano de recuperação em uma série de tuítes, dizendo que a empresa buscará financiamento externo e fará com que a cripto tenha lastro apoiado por reservas, em vez de depender de um algoritmo para manter sua indexação de 1:1 dólar.

Do Kwon disse também que a empresa endossará uma proposta de detentores do UST para aumentar a capacidade de criar novas moedas luna. Este movimento “deve permitir que o sistema absorva o UST mais rapidamente”, disse ele.

Do Kwon procurou tranquilizar os investidores, dizendo em um tuíte: “tropeços de curto prazo não definem o que você pode realizar” e descrevendo o colapso da stablecoin como um “revés”.

 

Mais Recentes da CNN