Com meio milhão de funcionários, empresa indiana decide abandonar escritórios

Além da economizar, a empresa de TI também espera contribuir para um ambiente mais limpo trabalhando mais em casa

Foto: Daniel Bosse/Unsplash

Diksha Madhok,

do CNN Business, em Nova Deli

Ouvir notícia

Em quase 40 anos na Tata Consultancy Services (TCS), N. Ganapathy Subramaniam e sua equipe quase nunca trabalharam remotamente.

Mas quando a Índia anunciou as restrições de circulação por causa do coronavírus, em março de 2020, sua empresa assumiu o enorme desafio de permitir que centenas de milhares de funcionários trabalhassem em casa quase da noite para o dia.

Descobrir como despachar equipamentos de escritório foi uma tarefa difícil. “Portanto, a primeira e mais importante coisa foi trabalhar com o governo para dizer: ‘nos deixem dirigir caminhões para transportar as coisas para nossos funcionários'”, disse Subramaniam, COO da TCS, ao CNN Business.

O gigante indiano de TI – que emprega mais de meio milhão de trabalhadores em todo o mundo – também precisava afastar quaisquer preocupações sobre dados e privacidade para uma lista global de clientes,  que inclui Deutsche Bank, SAP e Virgin Atlantic.

“Tivemos que falar com nossos clientes e conseguir aprovação deles também, porque, contratualmente, devemos realizar o trabalho apenas em um local aprovado”, explica Subramaniam.

A TCS emprega mais de 500 mil pessoas. Ele se recusou a revelar quantas delas estão baseados na Índia, mas disse que é o maior empregador privado do país. E, como a maioria das outras grandes empresas na terceira maior economia da Ásia, a TCS não havia feito experiências com trabalho remoto antes da pandemia.

Porém, três semanas após o bloqueio da Índia entrar em vigor no ano passado, 96% da equipe da TCS trabalhava remotamente. A empresa diz que o modelo funcionou tão bem que nunca mais quer voltar ao escritório.

A companhia, que tem um valor de mercado de US$ 166 bilhões, prevê agora que até 2025 apenas 25% de seus funcionários precisarão trabalhar no escritório. A rival Infosys, que emprega mais de 250 mil pessoas, também está planejando mudar para um modelo híbrido após a pandemia.

Esse tipo de mudança pode ter implicações importantes não apenas para a enorme indústria de TI da Índia, mas para toda a economia do país.

Produtividade e sustentabilidade

Antes da pandemia, muitos chefes indianos suspeitavam do trabalho remoto devido a preocupações com a produtividade, disseram recrutadores ao CNN Business. No entanto, as empresas ficaram surpresas com o impacto positivo que o trabalho em casa teve na eficiência e na diversidade da força de trabalho. Em algumas grandes empresas, o número de mulheres em cargos de liderança aumentou significativamente durante a pandemia graças à flexibilidade fornecida.

A TCS acredita que pode aumentar a produtividade em 25% abraçando mais trabalho remoto, disse Subramaniam. “Muitos de nossos funcionários sentem que encontraram uma solução para o equilíbrio entre sua vida profissional e pessoal”, acrescentou. “Então, quando você está feliz, naturalmente, sua produtividade é melhor.”

Como o resto da economia indiana, a TCS sofreu nos meses seguintes ao bloqueio de 2020, pois seu lucro líquido caiu quase 14% no trimestre de junho, em comparação com o mesmo período de 2019. Mas os lucros começaram a se recuperar. No mês passado, a TCS relatou um salto de 32% na receita líquida no primeiro trimestre de 2022, em comparação com o mesmo período do ano passado.

“Cada compromisso que assumimos com nossos clientes foi executado”, disse Subramaniam, acrescentando que, mesmo trabalhando remotamente, a empresa agregou cerca de 60 novos clientes e contratou cerca de 45 mil pessoas.

A empresa também espera contribuir para um ambiente mais limpo trabalhando mais em casa.

A Índia tem algumas das cidades mais congestionadas do mundo – incluindo Mumbai, onde a TCS está sediada. De acordo com um artigo do think tank IDFC Institute, um residente médio de Mumbai “perde 11 dias por ano preso no trânsito”. A maioria das 30 principais cidades poluídas do mundo também está localizada na Índia.

A TCS acredita que ter a maioria de seus funcionários trabalhando remotamente pode reduzir sua pegada de carbono global em 70% até 2025, em comparação com uma década antes. “O meio ambiente ficou muito mais limpo” já no ano passado, disse Subramaniam.

“Estamos conseguindo alguns novos vizinhos”, acrescentou. “Estou vendo pássaros que nunca vi na minha vida.”

A Infosys – que depois da TCS é a segunda maior empresa de TI da Índia – disse que a maioria de seus funcionários deseja mudar para um modelo híbrido. A empresa planeja ter dois terços de sua equipe no escritório em regime de rodízio, enquanto o restante pode trabalhar em casa, de acordo com Richard Lobo, chefe de recursos humanos da Infosys.

Ao contrário da TCS, a Infosys ainda não tem um cronograma para implementar seu plano, mas Lobo não vê a empresa voltar ao seu antigo modo de funcionar. “Sinceramente espero que não voltemos totalmente”, disse ele ao CNN Business. “Se voltarmos, teremos perdido todo o aprendizado do trabalho remoto”, acrescentou.

A economia do escritório

Se trabalhar em casa se tornar uma prática padrão para ainda mais empregadores indianos importantes, alguns recrutadores e funcionários do governo alertam que a migração para fora do escritório pode ter consequências graves para outras indústrias.

“Não são notícias particularmente boas para empresas de infraestrutura e outros setores de negócios, como viagens e alimentação, que prosperam quando as pessoas trabalham em escritórios”, disse Aditya Mishra, fundador da agência de recursos humanos Ciel HR Services. Ele acrescentou que tal mudança pode afetar a subsistência de zeladores, floristas, seguranças, eletricistas e outros que dependem de pessoas comprometidas com a vida no escritório.

Essa é uma das razões pelas quais o governo em Telangana – um centro de TI no sul do país – está incentivando os trabalhadores a voltarem aos escritórios, de acordo com relatos da mídia.

Subramaniam, da TCS, reconheceu que a preocupação com o trabalho remoto em massa é um “ponto válido”, porque para cada trabalho de TI criado no país, quatro a cinco outros empregos – em setores que vão da entrega de alimentos ao transporte – também são criados.

Cidades pequenas podem se beneficiar

Uma mudança mais ampla para um modelo de trabalho em casa também pode levar à redistribuição da riqueza de outras maneiras, de acordo com Mishra, o recrutador.

Se os executivos puderem realizar trabalhos de TI com altos salários em uma ampla variedade de locais, isso pode “melhorar a qualidade de vida em cidades menores na Índia”, disse ele.

Uma mudança fundamental na localização da força de trabalho de uma empresa, porém, pode exigir que as empresas reconsiderem coisas como salários e benefícios oferecidos a seus funcionários.

Nos Estados Unidos, os funcionários de algumas das maiores empresas de tecnologia, como o Google, podem sofrer um corte de pagamento se mudarem para trabalhar em casa permanentemente, de acordo com um relatório da Reuters.

“Precisamos pensar em tudo isso”, disse Subramaniam, quando questionado se as pessoas receberiam o mesmo se trabalhassem em uma cidade menor, em vez de em lugares como Mumbai ou Bangalore.

Mishra também acredita que outros rivais de TI podem sofrer quando se trata de “atrair bons talentos”, se eles não oferecerem o tipo de flexibilidade que a TCS está planejando.

(Esta matéria foi traduzida. Clique aqui para ler a versão original)

Mais Recentes da CNN