Comandante explica o que mudou no 737 Max para que o avião volte a operar

Sérgio Quito, comandante da Gol participou dos processos de recertificação do 737 Max e explica principal mudança que garatiu o retorno da aeronave

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

Após 20 meses com todas as aeronaves 737 Max sem operar por conta de dois acidentes causados por falhas técnicas do modelo, a agência de aviação americana autorizou a retomada de voos com o avião. 

O retorno do 737 Max ocorre após esforço internacional de recertificação da aeronave que contou com participação de Sérgio Quito, comandante da Gol.

Em entrevista para a CNN, Quito explicou a principal mudança que garantiu o retorno do modelo.

Leia também

Desastre do Boeing 737 Max pode ser o erro corporativo mais caro que já existiu

Gol amplia oferta em novembro, espera volta do MAX até fim do ano

Acidentes do 737 MAX são resultado de falhas da Boeing e da FAA, diz relatório

“O que mudou foi o sistema de comparação do ângulo de ataque do avião, que informa a altitude do aeronave. Com isso uma informação externa errada não fará com que o avião atue de maneira diferente do esperado,” disse o comandante. 

“Foi um aperfeiçoamento, agora a comparação é entre dois computadores e não só entre dois indicadores. Isso dá mais autoridade para o piloto para contrariar uma informação indesejada.”

(Publicado por Diego Freire)

 

 

 

Mais Recentes da CNN