Comércio contrata 602 mil pessoas em 1 trimestre, diz IBGE; agro demite 166 mil

Em relação ao patamar de um ano antes, houve ganhos em todas as atividades

Homem mostra carteira de trabalho ao buscar oportunidades de emprego no centro de São Paulo
Homem mostra carteira de trabalho ao buscar oportunidades de emprego no centro de São Paulo 06/10/2020REUTERS/Amanda Perobelli

Daniela Amorim, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

O comércio foi o setor que liderou a criação de vagas no trimestre encerrado em dezembro de 2021, com 602 mil admissões em relação ao trimestre terminado em setembro, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados nesta quinta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na passagem do trimestre terminado em setembro para o trimestre encerrado em dezembro houve geração de vagas nas atividades: outros serviços (521 mil ocupados), indústria (213 mil), alojamento e alimentação (253 mil), transporte (58 mil), construção (242 mil), serviços domésticos (346 mil), informação, comunicação e atividades financeiras (367 mil) e administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (357 mil).

A única atividade com demissões foi a agricultura, pecuária, produção florestal pesca e aquicultura, com 166 mil trabalhadores a menos.

Em relação ao patamar de um ano antes, houve ganhos em todas as atividades. A agricultura admitiu 381 mil trabalhadores, e a administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais contratou 214 mil trabalhadores a mais.

A construção contratou 1,108 milhão, o comércio absorveu 1,919 milhão.

Alojamento e alimentação abriu 994 mil vagas, e serviços domésticos ganharam 1,028 milhão de trabalhadores.

A indústria contratou 1,038 milhão de funcionários, enquanto o setor de informação, comunicação e atividades financeiras absorveu 768 mil. Transporte ganhou 441 mil vagas, e outros serviços admitiram 631 mil pessoas.

Mais Recentes da CNN