Comércio paulistano cai 67% nas vendas de maio, mês do Dia das Mães, diz ACSP

Segunda data mais importante do varejo físico foi impactada por quarentena da Covid-19; no acumulado do últimos 12 meses, a queda na média de vendas é de 10%

No fim de março, Doria determinou que somente os comércios considerados essenciais, como farmácias e supermercados, podem continuar abertos
No fim de março, Doria determinou que somente os comércios considerados essenciais, como farmácias e supermercados, podem continuar abertos foto-rovena-rosa-26-mar-2020-agencia-brasil

Do CNN Brasil Business*, em São Paulo

Ouvir notícia

A queda média no movimento do comércio paulistano em maio foi de 67%, na comparação com o mesmo período de 2019. O mês é estratégico em razão do Dia das Mães, considerado a segunda data mais importante do varejo físico. Os impactos desta queda no acumulado do ano são visíveis.

No acumulado do últimos 12 meses em comparação com os 12 meses anteriores, já se registra queda de 10% na média de vendas. Já na comparação do mês de maio deste ano com abril de 2020 houve alta de 5%. O aumento de vendas é sazonal, puxado justamente pelas compras relacionadas ao Dia das Mães.

Os dados são do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). E segundo o economista da instituição, Marcel Solimeo, a queda é “brutal”. “Com o início da flexibilização, elas (as lojas) estão tentando pôr a cabeça para fora para faturar um pouco no Dia dos Namorados, mas no ritmo que está, com o aumento do desemprego e a queda na renda, talvez nem isso” diz.

O Balanço de Vendas é elaborado pelo Instituto de Economia da ACSP, com base em amostra fornecida pela Boa Vista Serviços.

*Com Estadão Conteúdo 

Clique aqui e siga a página do CNN Brasil Business no Facebook

Mais Recentes da CNN