Como fica o seguro-desemprego se empresa reduzir salário ou suspender contrato

O governo usa o seguro-desemprego como base para calcular quanto pagará ao trabalhador com remuneração reduzida ou emprego suspenso

Notas de dinheiro
Notas de dinheiro Foto: USP Imagens

Raphael Coraccini,

colaboração para o CNN Brasil Business, em São Paulo

Ouvir notícia

Com a persistência da pandemia, o governo federal estabeleceu novas medidas de suspensão do contrato de trabalho e de redução do salário e da jornada. A proposta é tentar reduzir os custos das empresas com seus empregados e evitar demissões.

Durante o programa, que tem prazo de duração de 120 dias, o governo se dispõe a recompor parte ou a íntegra do que os trabalhadores deixarão de receber das empresas, e o seguro-desemprego está sendo usado para calcular esse benefício.

A dúvida que fica é: se tiver redução da jornada e salário ou contrato de trabalho suspenso, o trabalhador deixará de ter direito ao seguro-desemprego no futuro?

A resposta é não.

 

O texto da medida provisória 1.045, que criou o novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, diz que o trabalhador não terá seu direito de uso do seguro-desemprego afetado caso seja demitido depois de terminado o programa.

Portanto, o governo está usando o seguro-desemprego apenas como base de cálculo, e não cedendo o benefício efetivamente. A adesão ao programa não contará como período de uso do seguro-desemprego para solicitações futuras.

“O recebimento do Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm) não impedirá a concessão e não alterará o valor do seguro-desemprego a que o empregado vier a ter direito”, diz a MP.  

Quem pode pedir o seguro-desemprego?

O seguro-desemprego pode ser solicitado por trabalhadores com vínculo empregatício formal e permanente que tenham sido demitidos sem justa causa, a depender do tempo em que ficou na empresa e do tempo que recebeu o seguro pela última vez.

Para quem recebe o benefício pela primeira vez, é preciso ter pelo menos 12 meses na empresa. Na segunda solicitação, são necessários nove meses de trabalho. Da terceira vez em diante, são necessários seis meses de emprego.

Mais Recentes da CNN