Compromisso com o ajuste das contas públicas está indo pelo ralo, diz economista

Ex-diretor do BC, Alexandre Schwartsman, classificou ainda como "muito grave o que está acontecendo em termos de desmanche das instituições fiscais do país"

Da CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

Em meio ao momento conturbado vivido pelo Ministério da Economia, principalmente após o pedido de demissão de quatro secretários, o ex-diretor do Banco Central Alexandre Schwartsman afirmou que o compromisso do governo federal com o ajuste das contas públicas está indo pelo ralo e as demissões reforçam que o compromisso do governo com responsabilidade fiscal é uma sinalização muito ruim, “se é que algum dia existiu.”

“Quando secretários saem por discordâncias às medidas tomadas pelo Ministério, fica claro que o compromisso com o ajuste das contas públicas está indo pelo ralo. Já não era grande coisa antes, mas agora está para todo mundo ver”, afirmou o economista.

Alexandre Schwartsman classificou ainda como “muito grave o que está acontecendo em termos de desmanche das instituições fiscais do país”. “Colocamos na Constituição que deveríamos ter um limite para os gastos, e agora estamos arrumando jeitos de contornar esse limite”, disse.

O economista disse ainda que o governo está sendo uma “decepção” para aqueles que acreditaram em uma linha mias liberal de atuação. Ele não vê o mercado em um comportamento tranquilo na próxima sexta-feira (22), em referência ao impacto das demissões anunciadas após o fechamento da bolsa nesta quinta, portanto, deve se refletir no próximo pregão.

Schwartsman ainda afirmou que as medidas tomadas recentemente mostram que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) optou por lutar pela reeleição a defender o mercado.

“É uma decisão política. Minha leitura dessa história é que o presidente tinha a opção de defender o mercado ou brigar pela reeleição, e é muito claro que ele quer brigar pela reeleição. Acho que o equilíbrio encontrada vai ser esse: o presidente vai cuidar da política e o mercado vai deixar os preços desabarem, como temos visto nas últimas sessões”, afirmou o ex-diretor do Banco Central.

Mais Recentes da CNN