Confiança da indústria sobe em abril pela 1ª vez no ano, após três quedas, diz CNI

Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) avançou 1,4 ponto entre março e abril, de 55,4 pontos para 56,8 pontos

Trabalhador em indústria siderúrgica em Ipatinga, Minas Gerais
Trabalhador em indústria siderúrgica em Ipatinga, Minas Gerais 17/04/2018REUTERS/Alexandre Mota

Fabrício Juliãodo CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), subiu de 55,4 pontos em março para 56,8 pontos em abril.

Com o resultado, a confiança do setor industrial reverteu o quadro negativo que vinha de queda de 1,3 ponto no primeiro trimestre deste ano.

 

Esta é a primeira vez no ano que o índice avança, após uma sequência de três recuos.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) é composto pela média de dois indicadores: o Índice Condições Atuais e o Índice de Expectativas Futuras.

Segundo a CNI, o indicador de condições atuais estava se afastando dos 50 pontos e caminhando para baixo, mas com a divulgação de abril ele volta a ficar muito próximo de 50 pontos, chegando a 49,9 pontos.

Já o Índice de Expectativas avançou 1,6 ponto e chegou a 60,2 pontos. O indicador sinaliza expectativas mais otimistas da indústria em relação aos próximos seis meses.

Vale ressaltar que o ICEI varia de 0 a 100 e tem uma linha de corte em 50 pontos, sendo que todo valor acima indica confiança e abaixo falta de confiança. Para a nova pesquisa, foram entrevistadas 1459 empresas, sendo 564 pequenas, 577 médias e 318 grandes, entre 1º e 7 de abril de 2022.

Entenda o cenário

O gerente de análise econômica da CNI, Marcelo Azevedo, explica que o indicador positivo pode ser explicado pela mudança na visão dos empresários sobre o momento da economia atual.

A mudança vem apesar de um cenário ainda incerto no Brasil e no mundo, de juros em alta e escalada da inflação.

“Por estar muito próximo da linha divisória dos 50 pontos, o indicador mostra uma percepção neutra das condições atuais em relação aos seis meses passados, ao contrário do que vinha ocorrendo desde o início no ano, quando a visão era mais negativa”, analisou.

Ao CNN Brasil Business, Azevedo disse ainda que a melhora no indicador ocorre em um momento em que as empresas já não possuem mais tantas medidas restritivas em razão da pandemia da Covid-19.

“Logo após o início deste ano, as restrições nas empresas foram afrouxando, e isso é sentido pelo empresariado em relação às condições de trabalho, que é um dos componentes que move o ICEI”, afirmou.

Outro fator que pode ter contribuído para a alta no indicador foi o corte do governo de 25% sobre o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

 

 

Mais Recentes da CNN