Confiança do consumidor cai mais que o esperado na França e Alemanha

Medidas dos governos para ajudar com o aumento dos custos dos combustíveis e de outros preços deram pouco alívio após o impacto da guerra na Ucrânia

Banco Central Europeu diz que continua confiante de que a zona do euro poderá evitar uma recessão, mas o colapso do sentimento dos consumidores em suas duas maiores economias afetou as esperanças
Banco Central Europeu diz que continua confiante de que a zona do euro poderá evitar uma recessão, mas o colapso do sentimento dos consumidores em suas duas maiores economias afetou as esperanças Josh Appel/ Unsplash

Reuters

Ouvir notícia

A França e a Alemanha registraram quedas acima do esperado na confiança do consumidor neste mês, uma vez que medidas dos governos para ajudar com o aumento dos custos dos combustíveis e de outros preços deram pouco alívio após o impacto da invasão da Ucrânia pela Rússia, mostraram pesquisas nesta terça-feira (29).

O Banco Central Europeu diz que continua confiante de que a zona do euro poderá evitar uma recessão, mas o colapso do sentimento dos consumidores em suas duas maiores economias afetou as esperanças de uma forte retomada depois de as restrições contra a Covid-19 terem sido aliviadas.

“Em fevereiro, as esperanças ainda eram altas de que o sentimento do consumidor iria se recuperar com o alívio das restrições causadas pela pandemia. No entanto, a guerra na Ucrânia fez com que essas esperanças desaparecessem no ar”, disse em comunicado o especialista em consumidor do instituto alemão GfK Rolf Buerkl.

Na Alemanha, o GfK informou que seu índice de sentimento do consumidor, com base em pesquisa junto a cerca de 2 mil pessoas, caiu para -15,5 pontos para abril, de -8,5 pontos um mês antes, mínima desde fevereiro de 2021.

Economistas consultados pela Reuters esperavam queda do índice a -14,0.

Na França, a agência oficial de estatísticas Insee disse que seu índice de confiança do consumidor caiu a 91 pontos, de 97 em fevereiro, contra expectativa de 94 em pesquisa da Reuters e o dado mais fraco desde fevereiro de 2021.

Mais Recentes da CNN