Confusão do 5G em aeroportos é um dos maiores erros que já vi, diz CEO da Emirates

Companhias aéreas internacionais estão se esforçando para modificar ou cancelar voos para os EUA em meio à incerteza sobre a possível interferência entre novos serviços de telefonia celular

Avião da Emirates
Avião da Emirates Vladimir Gerdo/TASS / Getty Images

Ouvir notícia

O presidente da Emirates disse à CNN que a companhia aérea não estava ciente de alguns dos possíveis problemas de implantação do 5G até a manhã desta terça-feira (18), chamando a situação de “uma das mais irresponsáveis” que ele já viu em sua carreira na aviação.

As principais companhias aéreas internacionais estão se esforçando para modificar ou cancelar voos para os Estados Unidos em meio à incerteza sobre a possível interferência entre novos serviços de telefonia celular 5G e tecnologias críticas de aeronaves. A Emirates cancelou voos para nove destinos nos EUA nesta quarta-feira (19).

Em entrevista a Richard Quest, da CNN, o presidente da Emirates, Tim Clark, disse que eles não estavam cientes dos problemas até a manhã de terça “na medida em que isso comprometeria a segurança da operação de nossas aeronaves e praticamente todos os outros operadores de 777 de e para nos Estados Unidos e dentro dos Estados Unidos.”

Os reguladores do setor de transporte já estavam preocupados com o fato de que a versão do 5G programada para ser ligada pudesse interferir em alguns instrumentos do avião, e muitos grupos do setor de aviação compartilharam esses medos – apesar das garantias dos reguladores federais de telecomunicações e operadoras de telefonia móvel.

A Administração Federal de Aviação tem se preocupado que as antenas de celular 5G perto de alguns aeroportos – não de dispositivos móveis de viajantes aéreos – possam prejudicar as leituras de alguns equipamentos de aeronaves projetados para informar aos pilotos a que distância estão do solo.

Esses sistemas, conhecidos como altímetros de radar, são usados ​​durante todo o voo e são considerados equipamentos críticos. (Os altímetros de radar diferem dos altímetros padrão, que dependem das leituras da pressão do ar e não usam sinais de rádio para medir a altitude.)

Em dezembro, a FAA emitiu uma ordem urgente proibindo os pilotos de usar os altímetros potencialmente afetados em aeroportos onde as condições de baixa visibilidade os exigiriam.

Essa nova regra pode impedir que os aviões cheguem a alguns aeroportos em determinadas circunstâncias, porque os pilotos não conseguiriam pousar usando apenas instrumentos.

“Estávamos cientes de um problema de 5G. Ok. Estamos cientes de que todo mundo está tentando implementar o 5G, afinal, é o futuro super legal de qualquer comunicação e fluxo de informações. Não sabíamos que o poder das antenas nos Estados Unidos dobrou em relação ao que está acontecendo em outros lugares. Não sabíamos que as próprias antenas foram colocadas em uma posição vertical em vez de uma posição levemente inclinada, o que pode comprometer não apenas os sistemas de rádio altímetro, mas o sistema de controle em voo por aeronaves”, disse.

“Então, com base nisso, tomamos essa decisão na noite passada de suspender todos os nossos serviços até que tivéssemos clareza”, acrescentou.

Questionado sobre o que ele acha da situação, Clark disse: “Eu preciso ser tão sincero quanto normalmente sou, e dizer que este é um dos assuntos mais irresponsáveis, chame como quiser, eu já vi na minha carreira na aviação porque envolve órgãos do governo, fabricantes, ciência, etc”.

O presidente da Emirates acrescentou que os serviços serão restaurados se o lançamento for suspenso e a questão da interferência de seus sistemas de aeronaves na aproximação e pouso for removida.

A AT&T, dona da empresa controladora da CNN, e a Verizon anunciaram na terça-feira que atrasariam a ativação do 5G em algumas torres ao redor de certos aeroportos. O lançamento da tecnologia sem fio perto dos principais aeroportos estava programado para quarta-feira.

“Estamos frustrados com a incapacidade da FAA de fazer o que quase 40 países fizeram, que é implantar com segurança a tecnologia 5G sem interromper os serviços de aviação, e pedimos que faça isso em tempo hábil”, disse Megan Ketterer, porta-voz da AT&T.

O governo Biden saudou o atraso, dizendo em comunicado que o “acordo evitará interrupções potencialmente devastadoras nas viagens de passageiros, operações de carga e nossa recuperação econômica, permitindo que mais de 90% da implantação da torre sem fio ocorra conforme o programado”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN