Contratações de executivos crescem 76% em agrotechs durante 2021, diz pesquisa

Crescimento envolve áreas de marketing, vendas, tecnologia e finanças

Startups ajudam a levar novas soluções para o agronegócio, com uso da tecnologia
Startups ajudam a levar novas soluções para o agronegócio, com uso da tecnologia jcomp/Freepik

João Pedro Malardo CNN Brasil Business*

em São Paulo

Ouvir notícia

As agrotechs, startups de tecnologia voltadas para o agronegócio, estão recrutando mais neste ano. Considerando apenas as contratações de executivos, foi registrado uma alta de 76% entre janeiro e setembro deste ano em relação ao mesmo período de 2020. Os dados são de um levantamento realizado pela empresa de recrutamento Michael Page.

De acordo com a pesquisa, as áreas com maior demanda de profissionais são as de marketing, tecnologia, finanças e vendas.

O levantamento também apontou as posições que são mais procuradas atualmente pelas empresas, assim como as faixas salariais:

  • Desenvolvedor de software, com salário entre R$ 7 mil a R$ 15 mil;
  • Gerente de desenvolvimento de negócios, com salário de R$ 15 mil a R$ 25 mil;
  • Head de marketing e expansão, com salário de R$ 25 mil a R$ 40 mil;
  • Diretor financeiro, com salário de R$ 25 mil a R$ 40 mil

Falta de profissões

A empresa afirma também que não há mão de obra qualificada suficiente para suprir toda a demanda atual das agrotechs. Esse déficit tem levado a uma procura por profissionais que tenham formação técnica ligada ao campo e com conhecimento em tecnologia, permitindo uma interface com outras áreas.

Stephano Dedini, diretor da Michael Page para o setor agro, diz que o funcionamento das agrotechs envolve o conhecimento dos produtos pelo profissional técnico, a interface com a área de tecnologia e a conexão com o produtor do campo, permitindo levar e ajudar a lidar com as novas soluções para os problemas do agronegócio.

“Uma equipe de agrotech é composta do fundador e bons profissionais de vendas, finanças, relação com investidores e desenvolvedores”, disse.

*Sob supervisão de Thâmara Kaoru

Mais Recentes da CNN