‘Coronavoucher’ terá valor do Bolsa Família e duração de 4 meses, diz Guedes

Benefício a trabalhadores informais mira 18 milhões de famílias e sua concessão será feita pela Caixa Econômica Federal, afirma ministro da Economia

Ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que distribuição de benefício começa em duas semanas
Ministro da Economia, Paulo Guedes, diz que distribuição de benefício começa em duas semanas Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Do CNN Brasil Business*

Ouvir notícia

O governo fornecerá por quatro meses vouchers para pessoas desassistidas e trabalhadores informais no âmbito das medidas de enfrentamento aos impactos do coronavírus, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista ao site Poder360 nesta quarta-feira (18).

Segundo o portal de notícias, Guedes disse que a distribuição começará em até duas semanas, sendo que o valor do cupom “não pode ser maior nem menor do que o do Bolsa Família”. O “coronavoucher”, como foi apelidado no governo, mira 18 milhões de famílias e sua concessão será feita pela Caixa Econômica Federal.

“A Caixa Econômica Federal tem 26 mil postos de atendimento. Já estão sendo preparados. O interessado no voucher vai se apresentar e dizer o nome e dar alguma identificação. O atendente checará se o nome já consta como beneficiário do Bolsa Família ou do BPC (Benefício de Prestação Continuada). Se não estiver recebendo nada, estará habilitado para receber o voucher e já recebe o dinheiro”, disse o ministro ao site.

Sobre o estado de emergência pedido na véspera pelo governo ao Congresso que dispensa o cumprimento da meta fiscal no ano, Guedes avaliou não tratar-se de uma liberdade para gastar, frisando que as despesas extras irão todas para a saúde.

O Ministério da Economia havia convocado uma coletiva às 11h desta quarta-feira sobre o estado de emergência fiscal, mas ela acabou sendo cancelada. A informação é que autoridades da pasta irão estar presentes no Palácio do Planalto em coletiva às 14h30, que já estava prevista antes.

(Com Reuters

Mais Recentes da CNN