Crise da Covid-19 pode fazer metade das escolas particulares fechar para sempre

Inadimplência em abril ultrapassou 20%. Representantes da categoria falam das dificuldades de manter os estabelecimentos de ensino

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

As escolas particulares sentiram os efeitos da crise financeira causada pelo novo coronavírus. O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp) acredita que cerca de 50% das escolas podem fechar as portas caso não recebam ajuda. Só em abril, o índice de inadimplência passou de 20%.

Com as crianças em casa, muitos pais começaram a fazer as contas. “Nossa maior preocupação foi com a parte financeira. Eu e meu marido somos autônomos e a primeira coisa que pensamos foi em ligar para a escola pedindo um desconto”, conta a mãe Márcia Yamane Umemo.

Com a dificuldade dos pequenos em se concentrar no ensino remoto, o aprendizado foi afetado. “A educação infantil é muita interação, muito lúdica. A concentração da criança é curta, ela tem que estar muito envolvida. Muitos pais estão trabalhando home office e não conseguem sentar para fazer”. diz Fabiana Fornicola Del Buono, diretora de uma escola particular, contando o que fez para encarar o período sem perder alunos. “Dei um desconto de 50%, contei com a colaboração deles para manter os custos operacionais”.

Segundo o presidente do Sieeesp, Benjamin Ribeiro da Silva, “80% das escolas particulares são pequenas, cobram mensalidades de R$ 300 a R$ 1 mil e não estavam preparadas para atender a essa pandemia. De um momento para outro tiveram que adquirir equipamentos, investir em tecnologias, parcerias, para atender a esse novo momento”.

No país, são mais de 20 mil escolas particulares e cerca de 300 mil funcionários, para atender 2,5 milhões de crianças até 5 anos. A inadimplência em São Paulo chegou a 21% em abril – no ano passado, foi de 6%.

“Uma crise muito grande. Se não houver uma ajuda estatal, de 30% a 50% dessas escolas vão quebrar. Tenho certeza que nem Estado nem prefeituras terão como atender esse número de mais de um milhão de alunos de uma hora para a outra”, continua o representante do Sieeesp

“Essas escolas estão sofrendo bastante com cancelamento de contratos, não pagamento, a redução de preço. Algumas já fecharam, e outras devem quebrar se não for feito nada”, alerta o presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares, Ademar Batista Pereira.

O Procon de São Paulo recebeu mais de 5 mil reclamações de pais que não conseguiam negociar as mensalidades. Inicialmente, a instituição queria que as escolas oferecessem descontos a todos os pais. Mas o acordo firmado agora prevê que os casos sejam analisados individualmente. 

Mais Recentes da CNN