Debandada continua: número 2 na Secretaria de Política Econômica pede para sair

Vladimir Kuhl Teles, que é sub do secretário Adolfo Sachsida, alegou motivos pessoais; ministério já perdeu cinco nomes importantes desde maio

Prédio do Ministério da Economia em Brasília: equipe de Paulo Guedes continua a sofrer com saída de integrantes
Prédio do Ministério da Economia em Brasília: equipe de Paulo Guedes continua a sofrer com saída de integrantes Foto: Hoana Gonçalves/Ministério da Economia

Ouvir notícia

A equipe econômica de Paulo Guedes continua a sofrer novas baixas, em meio à crescente pressão de integrantes do governo para flexibilizar o Teto de Gastos.

O subsecretário de Política Macroeconômica, Vladimir Kuhl Teles, deixou o cargo nesta segunda. A exoneração se deu a pedido de Teles, conforme portaria da última quinta-feira (13) publicada nesta segunda-feira (17) no Diário Oficial da União.

Na última semana, após os pedidos de demissão dos secretários especiais Salim Mattar (Desestatização) e Paulo Uebel (Desburocratização), o ministro Paulo Guedes chegou a reconhecer uma debandada da sua equipe.

Leia também:
Governo tenta contornar debandada na Economia com vídeo motivacional e anúncios
Ibovespa perde os 100 pontos com temor sobre saída de Guedes
Salim Mattar, após pedir demissão: ‘A política não tem interesse em privatizar’

A saída de Teles, contudo, não vem na esteira desse último movimento.

Segundo a assessoria de imprensa do ministério, o pedido se deu por uma situação pessoal e a partida já estava combinada previamente para ocorrer em agosto.

Em julho, já haviam deixado o governo o então secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, e o diretor de programas da Secretaria Especial de Fazenda, Caio Megale. O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, também pediu demissão, mas segue no cargo até a aprovação de seu substituto.

Antes disso, o então secretário especial de Comércio Exterior, Marcos Troyjo, havia saído do cargo para assumir, em maio, a presidência do Novo Banco de Desenvolvimento, o banco dos Brics.

(Com Reuters)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN