Desistência do Renda Brasil traz impacto político a Bolsonaro, diz economista

Alexandre Schwartsman ressaltou, no entanto, que a criação do programa de renda seria complicada no cenário orçamentário atual do país. 

Da CNN

Ouvir notícia

 

O governo federal desistiu nesta terça-feira (15) de criar o programa Renda Brasil. O próprio presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmou a decisão através de um vídeo nas redes sociais.

Para o economista Alexandre Schwartsman, o descarte dos planos de criar o programa causa mais impacto político do que econômico, principalmente para Bolsonaro. 

“A consequência vai ser muito mais do ponto de vista político. Não tem nenhuma correspondência nos fatos de que [criar o programa] iria ter um impacto enorme sobre o crescimento [da economia]”, disse Schwartsman, que é ex-diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central.

“Vai ter impacto político sobre o presidente, que estava contando com alguma coisa nessa linha, porque o programa do auxílio emergencial termina no final do ano”, acrescentou.

Leia e assista também:

Governo federal descarta criação do programa Renda Brasil
Equipe econômica mantém novamente projeção para recessão econômica em 4,7%
Ibovespa cai com desistência do governo de criar o programa ‘Renda Brasil’

O economista Alexandre Schwartsman fala à CNN
O economista Alexandre Schwartsman fala à CNN
Foto: CNN (15.set.2020)

Para ele, o auxílio emergencial explicam uma alta na popularidade do presidente durante os primeiros meses da pandemia da Covid-19.

“Do ponto de vista político, as políticas de transferência de renda tiveram um impacto importante para explicar a popularidade do presidente nesses meses. No momento em que ele não conseguir repor e isso sair de pauta, vai ter impacto. Bolsonaro vai sentir, de fato, saudades daquilo que não viveu”, acrescentou.

Schwartsman ressaltou, no entanto, que a criação do programa de renda seria complicada no cenário orçamentário atual do país. 

“Seria importante para manter o apoio político, mas estava difícil contar com algo devido à forma como as coisas funcionam no Brasil, como o teto de gastos”, exemplificou ele.

“No Brasil, 94% das despesas já têm dono antes de começar a fazer o Orçamento”, avaliou.

“O gasto público, propriamente dito, permaneceria constante e se faria uma dança das cadeiras para viabilizar isso. Mas fazer essa dança no orçamento brasileiro é complicado, porque ele é totalmente engessado”, considerou.

Para além do Orçamento, o economista ainda avaliou que outro impedimento ao Renda Brasil é o próprio comprometimento de Bolsonaro com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Lealdade que Bolsonaro tem com Guedes vai ficando cada dia menor até o momento em que ele colocará na balança o futuro político e Guedes. Não tenho dúvida do que vai pesar mais”, concluiu.

(Edição: Sinara Peixoto)

Mais Recentes da CNN