Dia dos Pais: vendas devem ter alta anual de 32%, diz associação de shoppings

Para o presidente da associação, contribuem para as expectativas a maior flexibilização das medidas de distanciamento social, aliada ao avanço da vacinação

Movimento de consumidores na Grande São Paulo, na tarde de segunda-feira, 2 de agosto
Movimento de consumidores na Grande São Paulo, na tarde de segunda-feira, 2 de agosto Foto: WESLEY REZENDE/PHOTOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Elisa Calmon, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

 

A Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) prevê um aumento de médio de 32% nas vendas na semana que antecede à comemoração do Dia dos Pais. A alta representa um adicional de vendas de R$ 870 milhões em relação a 2020. No mesmo intervalo do ano passado, as vendas caíram 32,5% ante 2019.

A expectativa é de que um tíquete médio de R$ 192, avanço de 11,6% ante o ano passado, quando o valor registrado foi de R$ 172. A expectativa supera também os R$ 176 reportados em 2019. As categorias de presentes em destaque para a data são: artigos esportivos, eletrônicos e calçados, segundo a pesquisa Expectativas para o Dia dos Pais realizada pela instituição entre os dias 21 e 28 de julho.

 

A Abrasce destaca que as projeções dos shoppings em relação ao volume de vendas registrado em 2019, período pré-pandemia, ainda são de queda, da ordem de 15%. No entanto, observa um otimismo maior em relação às datas comemorativas anteriores. Para o Dia das Mães, o recuo esperado era de 19% e para o Dia dos Namorados, 23% ante 2019.

Para o presidente da associação, Glauco Humai, contribuem para as expectativas a maior flexibilização das medidas de distanciamento social, aliada ao avanço da vacinação no país e a melhora da confiança do consumidor.

“Os empreendedores estão mais otimistas e acreditam que os consumidores estão mais dispostos a investir em um produto mais elaborado, já que muitos filhos ficaram um bom tempo longe dos pais e estão retomando, ainda que com toda a cautela necessária, os encontros familiares após a vacinação”, pontua.

Mais Recentes da CNN