Dois americanos revelam ter ajudado na fuga de Carlos Ghosn, ex-CEO da Nissan

Os dois são acusados de ajudar na fuga de um criminoso, crime que acarreta pena máxima de três anos de prisão

Carlos Ghosn, ex-executivo da Nissan (23.mar.2021)
Carlos Ghosn, ex-executivo da Nissan (23.mar.2021) Foto: Reprodução/CNN

Redação,

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

Os americanos Michael Taylor e Peter Taylor se confessaram culpados nesta segunda-feira (14) de ajudar o ex-CEO da Nissan Carlos Ghosn a fugir do Japão a bordo de um jato particular, no final de 2019. Michael e seu filho Peter foram presos nos Estados Unidos em maio de 2020 e extraditados para o Japão em março deste ano. Os dois são acusados de ajudar na fuga de um criminoso, crime que acarreta pena máxima de três anos de prisão.

Ghosn, que estava em Tóquio enquanto aguardava julgamento por acusações de má conduta financeira na Nissan, hoje mora no Líbano, país que não tem um tratado de extradição com o Japão. Ele diz que é inocente e que fugiu do Japão por não ter tido acesso a um julgamento justo.

 

Tópicos

Mais Recentes da CNN