É preciso ter um auxílio social com valor condizente, diz Pacheco

Presidente do Senado Federal defendeu que valores do Auxílio Brasil estejam dentro do teto de gastos

Douglas Portoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou, nesta quinta-feira (21), que é necessário ter um auxílio social com um valor que seja condizente para ajudar as famílias brasileiras. Entretanto, defendeu que a quantia esteja dentro do teto de gastos, com responsabilidade fiscal.

“O mais importante de tudo é efetivar de uma vez por todas o programa social dentro de um valor que seja condizente para a necessidade das famílias brasileiras, especialmente aquelas mais atingidas pela pandemia. As pessoas que não conseguem emprego, até porque não há oferta de emprego e de trabalho nesse momento. Temos que trabalhar para que haja esse socorro efetivo às famílias brasileiras”, declarou Pacheco.

“É evidente que defendemos que esse programa social seja incrementado, e seu valor esteja dentro daquilo que todos nós pregamos sempre, que é a responsabilidade fiscal. Ou seja, a importância de encontrarmos a equação capaz de inserir dentro do teto de gastos públicos”, continuou.

O ministro da Cidadania, João Roma, afirmou, na quarta-feira (20), que o Auxílio Brasil começará a ser pago no mês de novembro com o valor de R$ 400 reais. Porém, não foi detalhada a fonte de recursos para o novo programa social que substitui o Bolsa Família.

O governo elaborou uma modificação na própria regra do teto de gastos, que irá aumentar o valor que poderá ser gasto pela União no próximo ano, assim, mantendo a promessa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de lançar o novo programa social de R$ 400 mensais sem ultrapassar o limite de gastos, segundo foi revelado pela CNN na quarta-feira.

Bolsonaro, disse nessa quinta-feira, durante evento na Paraíba, que “ninguém está furando o teto” para a realização do programa. “Temos aproximadamente 16 milhões de pessoas do Bolsa Família. O tíquete médio do Bolsa Família é de cerca de R$ 192. Se o médio é R$ 192, tem muita gente ganhando R$ 40,50. Nós decidimos passar todos para, no mínimo, R$ 400. Isso tudo com responsabilidade. Ninguém está furando o teto não.”

 

 

 

 

Mais Recentes da CNN