Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em um ano, preço do papel higiênico aumentou 15,6% nos EUA; entenda

    Aumento incomum no preço da celulose, do qual o Brasil é o principal fornecedor de empresas norte-americanas, fez preço ao consumidor final subir no último ano

    Consumidora compra papel higiênico em mercado na cidade de Calabasas, na Califórnia
    Consumidora compra papel higiênico em mercado na cidade de Calabasas, na Califórnia Foto: Mel Melcon - 19.nov.2020/ Los Angeles Times via Getty Images

    Nathaniel Meyersohn, da CNN

    Ouvir notícia

    Um aumento fora do comum no preço da polpa de celulose vendida para empresas dos Estados Unidos teve consequência direta no bolso de milhões de consumidores: o preço do papel higiênico nos mercados disparou.

    “Nunca vimos aumentos de preços mensais como esse na história do setor. É algo inédito”, disse Brian McClay, analista da indústria de celulose.

    O preço da celulose saltou de US$ 606 (cerca de R$ 3,1 mil) por tonelada métrica em setembro para mais de US$ 907 (R$ 4,7 mil) por tonelada métrica em abril, disse McClay.

    Uma combinação de fatores elevou os preços, incluindo uma recuperação pós-Covid na China, o maior comprador de celulose do mundo, e atrasos no embarque global, disse o especialista.

    Os fabricantes de bens de consumo compram celulose no mercado livre e a utilizam para fazer papel higiênico, entre outros produtos de papel. Cerca de 70% da celulose que os fabricantes americanos compram para papel higiênico vem do Brasil, disse McClay, seguido por cerca de 30% do Canadá.

    A celulose é apenas o exemplo mais recente de uma escassez de matéria-prima que atinge a economia dos EUA enquanto ela se recupera de paralisações que interromperam as cadeias de abastecimento e alteraram o comportamento do consumidor. Madeira, aço, circuitos integrados de computador, cloro e até mesmo trabalho humano são difíceis de encontrar.

    A Consumer Brands Association, grupo comercial de fabricantes de bens de consumo embalados, disse na quinta-feira (6) em um blog que o aumento dos preços da celulose está tendo um impacto nos custos de produção de papel higiênico.

    Os preços do papel higiênico para os consumidores aumentaram durante a pandemia, e um fabricante líder de papel higiênico nos EUA disse que aumentará os preços que cobra dos varejistas pela marca Scott em parte por causa dos custos mais altos da celulose.

    Os preços do papel higiênico aumentaram 15,6% durante as 52 semanas encerradas em 1º de maio em comparação com o ano anterior, de acordo com os últimos números da NielsenIQ, que acompanha os dados de ponto de venda dos varejistas.

    A Kimberly Clark, fabricante do papel higiênico Scott, planeja aumentar os preços no varejo desta e de suas outras marcas entre 5% e 10% no próximo mês. Os aumentos “são necessários para ajudar a compensar a inflação significativa dos custos das commodities”, disse a Kimberly-Clark.

    “Os preços de venda de produtos de papel higiênico são influenciados, em parte, pelo preço de mercado da celulose”, disse a empresa em seu último registro de valores mobiliários.

    (Texto traduzido; leia o original em inglês)

    Mais Recentes da CNN