Embraer anuncia parceria e pedidos no setor de eVTOLs com empresas da Austrália

Nova parceria adicionará eVTOLs à frota existente de mais de 50 aeronaves de asa fixa e rotativa; Embraer quer decidir sobre projeto de turboélice ainda este ano

Logo da Embraer na sede da empresa em São José dos Campos
Logo da Embraer na sede da empresa em São José dos Campos 28/02/2018 REUTERS/Roosevelt Cassio

Beth Moreira, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

A Eve UAM, LLC, uma empresa da Embraer, Aviair e HeliSpirit, parte do grupo HM Consolidated, anunciaram nesta quarta-feira (16) no Singapore Airshow uma parceria entre Eve e HeliSpirit.

A colaboração contempla uma encomenda de até 50 eVTOLs (do inglês, Electric Vertical Take-off and Landing), com voos a partir de 2026.

Em nota, a empresa lembra que a Aviair e HeliSpirit atendem algumas das atrações turísticas mais emblemáticas da Austrália Ocidental, nas regiões de Kimberley, South-West e Perth.

A nova parceria adicionará eVTOLs à frota existente da empresa, de mais de 50 aeronaves de asa fixa e rotativa nestes locais.

O diretor executivo da Aviair e HeliSpirit, Michael McConachy, destacou que este ano a HeliSpirit completa 20 anos credenciada como líder de viagens sustentáveis, entrando para o Hall da Fama do Eco Turismo na Austrália.

“Este é um ótimo momento para se comprometer a reduzir significativamente nossa pegada de carbono, operando aeronaves elétricas de emissão zero”, completa McConachy.

“A tecnologia do eVTOL da Eve está bem alinhada com nosso modelo de negócios e com o desejo de estarmos na vanguarda das soluções neutras em carbono para a indústria da aviação. A pegada de baixo ruído da aeronave a torna particularmente adequada para operações em ambientes naturais sensíveis, incluindo parques nacionais e áreas tombadas pelo Patrimônio Mundial, bem como para deslocamentos urbanos que fornecem soluções rápidas e eficientes de mobilidade para viajantes de negócios e turismo”, acrescentou McConachy.

Já Andre Stein, co-CEO da Eve, afirma que a iniciativa é um marco significativo para a empresa.

“Nossa parceria abre um importante mercado na Austrália Ocidental que verá nossas aeronaves servindo a atrações turísticas icônicas do país, com voos de emissão zero e baixo ruído”, disse.

Microflite

A Eve UAM, LLC e a Microflite, uma das principais operadoras de helicópteros da Austrália, anunciaram, também nesta quarta, um pedido de até 40 eVTOLs com o objetivo de apoiar o início de novas operações de Mobilidade Aérea Urbana (UAM) na Austrália, em 2026.

Em nota, a empresa brasileira afirma que a Microflite e Eve planejam iniciar sua parceria usando helicópteros como prova de conceito para validar parâmetros que serão aplicados nas futuras operações dos eVTOLs.

Essa parceria também visa desenvolver novos serviços e procedimentos para criar um ambiente operacional seguro e dimensionado para as operações de eVTOL, em conjunto com comunidades e outras partes interessadas da indústria.

“Esse pedido se baseia na parceria que estabelecemos com a Eve e valida o enorme potencial para aeronaves de emissão zero na Austrália. Depois de trabalhar junto com a Eve nos últimos meses, identificamos uma rede potencial de rotas e esperamos trabalhar em conjunto com parceiros comerciais e comunidades para priorizar essas rotas e testar operações selecionadas com nossa frota existente”, disse em comunicado Jonathan Booth, CEO da Microflite.

“Nossa parceria com a Microflite verá o início progressivo de operações neutras em carbono em preparação para as primeiras entregas de aeronaves de emissão zero em 2026. Esperamos aprender juntos e construir operações seguras e bem dimensionadas com o apoio das comunidades locais”, acrescenta André Stein, co-CEO da Eve.

Beneficiando-se de uma mentalidade de startup e respaldada pelos mais de 50 anos de história da Embraer na fabricação de aeronaves e experiência em certificação, a Eve oferece um conjunto de produtos e serviços com altos níveis de padrões de segurança.

Além do programa de aeronaves, a Eve aproveita a experiência da Embraer e da Atech, subsidiária do Grupo Embraer, para fornecer um software de gerenciamento de tráfego aéreo e criar soluções que ajudarão a dimensionar, com segurança, a indústria de UAM no futuro.

Embraer quer decidir sobre projeto de turboélice ainda este ano

A Embraer espera decidir no final deste ano ou no início do próximo ano sobre o lançamento de um novo avião turboélice que pode entrar em serviço por volta de 2027, disse o chefe de aviação comercial nesta quarta.

A empresa também está conversando com os fabricantes de motores Pratt & Whitney, Rolls-Royce e GE sobre o fornecimento de um propulsor para o avião. Uma decisão é prevista para o segundo semestre deste ano, disse o presidente de aviação comercial da Embraer, Arjan Meijer, durante a feira de aviação de Singapura.

Em meados de agosto passado, o vice-presidente de engenharia e tecnologia da Embraer, Luís Carlos Affonso, afirmou que a empresa estava estudando o desenvolvimento de uma aeronave turboélice que vai usar o mesmo design dos jatos comerciais da companhia, com os motores instalados na cauda.

A aeronave seria capaz de transportar entre 70 e 90 passageiros, e Affonso afirmou que o consumo de combustível seria pelo menos 20% menor que o de jatos, além de ser mais silenciosa para os passageiros que os turboélices atuais que têm os motores instalados nas asas.

Meijer se recusou a comentar sobre a eficiência de consumo de combustível do novo avião em relação aos turboélices atuais em uma indústria dominada pela ATR.

O executivo não informou estimativa de custo do programa do novo avião, mas acrescentou que a empresa está em negociações com vários parceiros financeiros e industriais para o desenvolvimento.

O presidente da Rolls-Royce Civil Aerospace, Chris Cholerton, disse que a empresa, que é voltada para motores de aeronaves de grande porte, está trabalhando para apresentar uma proposta de motor turboélice para a Embraer.

“Acho que veremos reduções significativas no consumo de combustível e, portanto, estamos muito otimistas sobre o potencial desse produto”, disse ele durante o evento.

Pratt & Whitney e GE não comentaram o assunto de imediato.

*Com Reuters.

Mais Recentes da CNN