Enel amplia lucro e receita em 2021, mas alta da dívida pesa nas ações em Milão

Ajustado por fatores pontuais, como reorganização corporativa e custos relacionados à pandemia, o Ebitda comum ficou em 19,2 bilhões de euros

Logo da empresa multinacional de energia, Enel, em Milão, Itália.
Logo da empresa multinacional de energia, Enel, em Milão, Itália. 05/02/2020 REUTERS/Flavio Lo Scalzo

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

A Enel informou, na noite da última quinta-feira (3), que ampliou a receita e o lucro no ano passado, mas também registrou aumento das dívidas.

Segundo resultados preliminares, a companhia teve lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de 17,6 bilhões de euros (US$ 20,1 bilhões) em 2021, um avanço de 4,1% em relação a 2020.

Ajustado por fatores pontuais, como reorganização corporativa e custos relacionados à pandemia, o Ebitda comum ficou em 19,2 bilhões de euros, incluindo um ganho obtido com a venda de uma participação na Open Fiber, disse a Enel.

A receita da empresa somou 88,3 bilhões de euros no ano – um salto de 34% -, graças a uma receita maior em divisões como infraestrutura e redes, energia verde, geração e comércio térmico e fornecedor de soluções Enel X.

A Enel reportou uma dívida líquida de 52 bilhões de euros no final do ano, subindo de 45,4 bilhões de euros no ano anterior, como resultado de investimentos, pagamentos de dividendos e aquisição de outras participações na subsidiária Enel Americas, informou a empresa.

Com isso, às 7h42 (horário de Brasília), a ação da Enel caía 1,67% na Bolsa de Milão, após a divulgação dos números.

Mais Recentes da CNN